O financiamento para uma produção nacional engloba uma série de fundamentos necessários para o sucesso do empreendimento. A indústria cinematografica brasileira está em expansão e cada vez mais qualificada no mercado, inclusive internacional, e isso está ampliando os horizontes para a captação de recursos. No RioMarket, evento paralelo as mostras de cinema do Festival do Rio, o seminário "Modelos de Finaciamento Audiovisual e os Incentivos Fiscais", ministrados por Robert Darwell, Luis Fernando Pacheco e Miguel Pires, expoem as árduas trincheiras entre a produção de um filme e o dinheiro requisitado. O advogado Robert Darwell, que participou da produção de filmes como "Jardineiro Fiel" e "Turistas", explanou as diferentes formas de incentivo fiscal dado pelo Canadá, EUA e Porto Rico, desde co-produções a patrocínios e citou Porto Rico como extremamente interessante no mercado mundial, com baixo custo, incentivos altos e um país de língua latina, como expoente de uma cultura cinematografia.
Já o investidor Miguel Pires resumiu o significado dos fundos de investimento e analisou a importância da alteração da lei, onde o investidor pode remanejar 100% de recursos incentivados, ou seja, destinados a cultura e com seus devidos descontos no imposto de renda. Miguel também citou o péssimo histórico do cinema nacional como causador de "traumas" nos atuais investidores, onde os recursos destinados a produção eram desviados ou mesmo o filme não era finalizado. Dentre suas informações, a adequação sobre recurso passivo e ativo do FUNCINE, onde o passivo é a captação de recursos e o ativo é a gestão adequada dos mesmos. Para Luiz Fernando Pacheco, diretor da Ancine, a aproximação entre a TV aberta e as salas de projeção, alavancam o mercado e fomentam a criação de produções independentes. A Ancine acompanha todo o projeto, desde o início da produção até a finalização, assim como a fiscalização e comparação entre as notas fiscais e os valores depositados no banco.
Todos os seminários do RioMarket vem obtendo grande público, em sua maioria de interessados pela arte cinematográfica e profissionais do meio, permitindo que as abrangências desse mercado sejam melhor compreendidas.




Já nos anos 90, o setor de atendimento ao cliente iniciou uma trajetória rápida e pujante. Nesta primeira década do novo milênio, é esse ramo de atividade que mais cresce em empregos e melhorias, com empresas de todos os portes, sobretudo nas pequenas e micros. As empresas que sobrevivem por mais de dez anos no Estado do Rio de Janeiro, segundo pesquisa realizada este ano pelo Sebrae-RJ e FGV, só se mantém no mercado e se desenvolvem, porque investem em tratar bem seus clientes. Foram ouvidos mais de 260 empresários de diversos ramos, com mais de uma década de atuação e eles apostaram no bom atendimento ao cliente, citado em 21,2% das respostas, como o principal fator de sobrevivência. É importante lembrar que, através de pesquisa feita pelo próprio Sebrae, metade dos pequenos empreendedores tem vida curta: no máximo dois anos, como fator principal à falta de crédito no mercado.

Atualmente, a responsabilidade pela qualidade do atendimento ao cliente não está limitada a vendas e marketing. Ao contrário, 90% das empresas pesquisadas, vêem o atendimento ao cliente como alavanca essencial ao sucesso da empresa, em longo prazo, pois despertam ao fato que, em ambiente competitivo, conquistar um novo cliente pode custar dez vezes mais que manter os atuais. Sendo assim, dedicar atenção ao menos se torna lucrativo.

Apesar de reconhecer o quando a qualidade no atendimento aos clientes é fundamental, grandes empresas se sentem incapazes de oferecer um padrão de serviço que corresponda as suas expectativas. As que conseguem, logo sentem o impacto positivo em seus resultados. As organizações perceberam que todos os envolvidos no contato com o cliente devem prestar serviços de alto nível, o que requer uma mudança significativa de cultura.

Aqueles que representam essa interface entre a empresa e o cliente, devem ser capazes de resolver todos os problemas, assim que eles surgem. Assim, o foco da organização deve estar dirigindo a quatro pontos-chave: recrutamento, treinamento, reconhecimento e incentivos. Dessa forma, as organizações estarão se assegurando que as oportunidades são atrativas aos funcionários e que eles possuem domínio, não só pelo produto, como na consequencia financeira de suas decisões. Devem saber vender, lidar com clientes dificeis e deixa-los satisfeitos, aumentando a fidelidade com a empresa. Em longo prazo, os vencedores no mundo dos negócios serão aqueles que tiverem os melhores profissionais, munidos de informação e tecnologia para fornecer ao cliente o serviço certo, na hora certa.

O futuro das empresas hoje está presente no cotidiano de todos nós.

A música durante uma atividade física é um incentivo e fator motivacional para quem quer malhar. A música remete a sentimentos como pular, dançar, chorar e estimula nossos sentimentos e ações. Um som pode ser poderoso aliado na malhação, pois determina a cadência dos movimentos e aumenta o desempenho durante os exercícios.
Médicos da Universidade Glasgow, na Escócia, notaram que a disposição para caminhadas cresce 30% quando as pessoas utilizam músicas. Já um médico de Tóquio, o Dr. Norio Owaki, que estudou durante 10 anos alguns tipos de pautas sonoras, descobriu que a música altera a atividade das ondas cerebrais. Uma música pode fazer você se esforçar mais ou menos, dependendo do ritmo e se é ou não do seu gosto musical.
A Universidade Estadual Paulista, em Rio Claro, fez uma dissertação sobre o assunto  e o objetivo do trabalho foi investigar a interferência de diferentes estilos musicais sobre os estados de ânimo, sobre a percepção de esforço e sobre a performance durante a prática de atividade física. Três estudos foram realizados. No primeiro, os participantes passaram por três sessões experimentais de 20 minutos de audição dos estilos New Age; Rock Heavy Metal e Sucessos. Neste estudo se buscou inferir as alterações nos estados de ânimo dos
ouvintes após a audição. No segundo estudo, os participantes passaram por 4 sessões experimentais de 20 minutos de caminhada, em uma esteira rolante ouvindo os estilos acima
citados, além de uma sessão Sem Música . Além dos estados de ânimo, procurou-se acompanhar a Percepção de Esforço e a Performance (quantidade de exercício produzida). O terceiro estudo foi idêntico ao segundo com exceção da atividade, que foi pedalar em um ciclo ergômetro. Através da Análise de Correspondência para verificação dos estados de ânimo após as sessões experimentais e das médias para verificar as Percepções de Esforço e a Performance, foi possível identificar que as músicas New Age e Sucessos alteraram positivamente os estados de ânimo e que o Rock alterou negativamente os mesmos. A
situação de Caminhar e Pedalar Sem Música não foi capaz de alterar positivamente os estados de ânimo dos participantes e isto foi interpretado como monótono, realizar estas atividades em ambientes fechados sem estímulos visuais ou sonoros. A percepção de esforço se apresentou diferente na situação de Rock, onde a média dos valores foi superior às demais, tanto nas parciais de 5, 10, 15 e 20 minutos, quanto na média geral após os 20 minutos. A performance dos participantes no grupo que caminhou não diferiu
de uma situação para outra. O grupo que pedalou diferiu sua performance de uma situação para outra, sendo que a menor performance ocorreu sob o estilo New Age e a maior sob o estilo Rock. Um questionário de Preferência e Adequação Musical foi aplicado para os participantes do estudo 2 e 3. As respostas obtidas permitiram identificar que, para os participantes só houve adequação e motivação na utilização do estilo Sucessos.  Outro fator identificado é que a escolha de músicas por estas pessoas para prática de atividade física está intimamente ligada aos objetivos da prática, e por fim, a preferência musical, o
conhecer a música e letra são fatores considerados, pelos participantes, como importantes.
Um estudo recorrente também associa a música a capacitação do ser humano em extender sua inteligencia, unificando assim a função dos exercícios físicos em contribuir para a atividade cerebral. O exercício com música provoca mudanças positivas no sistema nervoso e podem ter efeito direto na habilidade cognitiva. Ouvir música pode influenciar a função cognitiva por diferentes caminhos do cérebro e, aliada ao exercício,  estimular e aumentar a disposição da fala.
A música também pode ajurar se o interesse é relaxar os musculos depois do exercício. Ela faz com que o ritmo da respiração diminua e as ondas cerebrais e a atividade muscular entrem em sincronia, promovendo relaxamento e bem-estar.
Em vista do sucesso comercial, muitos DJs gravam cds de acordo com a atividade escolhida, (step, aeróbica, ginástica localizada, spinning, alongamento, funk, etc...), principalmente comercializado para professores mas de fácil acesso para os interessados.
A música pode ser usada em todos os momentos, para todas as atividades. Escolha a que mais lhe agrada e aproveite todos os benefícios que ela pode te proporcionar.

Tem um bicho que te rói por dentro. Ele te suga, corroí teus órgãos e tua energia. Ele te tira do eixo, dos teus sonhos e te entorpece. Bêbado de álcool e de angústias, te vejo trôpego pelas ruelas da noite. Em êxtase pela droga adquirida, em busca de uma realidade que te satisfaça.
Você tem a juventude sufocante que busca a razão, o sentido e a lógica. E nela se dispersa, embevecido pelas tentações. Sem limites, sem parâmetros. O grito que ecoa pelos becos, nas horas mais descabidas, sem vergonha ou motivo, emitem palavras desconexas em premissas de lutas sem causas concretas e da rebeldia pulsante do presente.
Homem feito e barbado, rosto de criança, olhar de menino tenso. Perdido e incoerente. Tem a música nas veias e o talento nas mãos. E as corta com a gilete afiada do medo, sangrando pela falta de ar e excesso de tédio. Angustiante. Mente a si mesmo pois desconhece os muros. Teus olhos melancólicos remetem a dor e a morte. Mas sinto calma quando suspiras. Sinto seu coração que palpita de vida e desejos. Diante de mim paira um menino, enfim apenas almejando a felicidade, mas que não detém o fio que te levará ao caminho.
Eis um ouro sem lapidação, achado raro em pedras embrutecidas. Um mago, um druida. Um louco, inconseqüente. Sábio, peregrino. Pés flutuantes, sapatos desgastados, roupas rotas e vaidades explícitas. Homem fiel ao amor bramido, nunca porém vivido. As meninas te inspiram e você cai nos seios que te acenam. Carinho vazio. Oco menino.
Teu bicho te roí e mastiga tuas entranhas. Tão vigoroso que te arrasta de si mesmo. Tão voraz que te afugenta de mim.

 

publicidade
publicidade
Crochelandia
Visitantes desde fevereiro de 2006:
33233216

Blogs dos Colunistas

-
Ana
Kaye
Rio de Janeiro
-
Andrei
Bastos
Rio de Janeiro - RJ
-
Carolina
Faria
São Paulo - SP
-
Celso
Lungaretti
São Paulo - SP
-
Cristiane
Visentin

Nova Iorque - USA
-
Daniele
Rodrigues

Macaé - RJ
-
Denise
Dalmacchio
Vila Velha - ES
-
Doroty
Dimolitsas
Sena Madureira - AC
-
Eduardo
Ritter

Porto Alegre - RS
.
Elisio
Peixoto

São Caetano do Sul - SP
.
Francisco
Castro

Barueri - SP
.
Jaqueline
Serávia

Rio das Ostras - RJ
.
Jorge
Hori
São Paulo - SP
.
Jorge
Hessen
Brasília - DF
.
José
Milbs
Macaé - RJ
.
Lourdes
Limeira

João Pessoa - PB
.
Luiz Zatar
Tabajara

Niterói - RJ
.
Marcelo
Sguassabia

Campinas - SP
.
Marta
Peres

Minas Gerais
.
Miriam
Zelikowski

São Paulo - SP
.
Monica
Braga

Macaé - RJ
roney
Roney
Moraes

Cachoeiro - ES
roney
Sandra
Almeida

Cacoal - RO
roney
Soninha
Porto

Cruz Alta - RS