http://www.jornalorebate.com/67/cavalgada01.jpg http://www.jornalorebate.com/67/cavalgada02.jpg

Brasília, a capital do país comemorou seu último aniversário de forma diferente. Convidou para as festividades, cavaleiros e comitivas de diversos cantos do país. Todos chegaram com seus cavalos e apetrechos para passar a data comemorativa no mais tradicional e típico clima sertanejo. Prefeitos chegaram juntos com seus cavaleiros e deslumbraram-se com a organização do evento.
A cidade comemorou 47 anos de vida, e não se esqueceu do fundador e visionário, fundou a primeira cidade totalmente planejada do país, Juscelino kubitscheck, o saudoso e polêmico JK.
Políticos em todos os segmentos e de vários lugares compareceram ao evento que contou com uma organização impecável, para cavalos e cavaleiros que foram sem duvida alguma, as grandes estrelas da festa.

http://www.jornalorebate.com/67/cavalgada03.jpg http://www.jornalorebate.com/67/cavalgada04.jpg

Nunca se viu um desfile com tantos cavalos. Mais de 3.000 animais com seus respectivos donos, fizeram um percurso de mais de 30 KM, ida e volta. O desfile que teve sua concentração e inicio na área do QG de Brasília, fez um percurso extenso e histórico. Passou logo no inicio na Catedral Rainha da Paz para uma benção e , parou depois no Cruzeiro, onde foi servido um lanche, passando depois ao lado do MEMORIAL JK, e terminando na esplanada dos ministérios, sendo acompanhado do inicio ao fim por um grande aparato policial. Na frente da cavalgada, ladeado pela guarda de honra do palácio do governo, ia um sósia de JK, cumprimentando a todos que saíram as ruas para prestigiar a grande cavalgada e receber os cavaleiros do Brasil. Cavaleiros e comitivas, deram a Brasília no dia de seu aniversário “cara de Brasil”, já que sua imponência arquitetônica, foge um pouco do estereótipo, da maioria das cidades brasileiras. Grande estranheza me causou, o evento não ter tido grande divulgação pela mídia falada e escrita, já que foi em evento que teve a participação de cidade conhecidas nacionalmente no mundo dos rodeios como Barretos e muitas outras. A cobertura foi grande por parte de muitos veículos de comunicação, mas pouco ou quase nada se falou do evento que popularizou a cidade, que na maioria de seus dias tem seu nome ligado quase que somente a eventos de cunho político. Mas nada disso atrapalhou a grandeza do desfile, que foi de total descontração, e a não ser pelo calor e o sol, que deixaram cavalos e cavaleiros cansados, mas com a certeza de que a partir dali, mais encontros virão e nada atrapalhará que a cada dia se popularizem mais as cavalgadas, que nasceram, á quase 500 anos atrás, com os bandeirantes, bravos desbravadores, que entraram por terras desconhecidas e ajudaram a encontrar de cima de seus cavalos as grandes riquezas do Brasil.

http://www.jornalorebate.com/67/cavalgada05.jpg
http://www.jornalorebate.com/67/cavalgada06.jpg
http://www.jornalorebate.com/67/cavalgada07.jpg http://www.jornalorebate.com/67/cavalgada08.jpg
http://www.jornalorebate.com/67/cavalgada09.jpg http://www.jornalorebate.com/67/cavalgada010.jpg

 

ENFIM TEM INICIO A VISITA DO PAPA QUE SUCEDE JOÃO PAULO II, O PAPA QUE DIZIAM SER POP.

http://www.jornalorebate.com/67/papa.jpgEnfim chegou o Papa que traz para a legião de fieis da igreja católica, mais esperança que seja o começo de um novo ciclo de renovação da fé e da religiosidade. BENTO XVI, o papa que sucede João Paulo II, chega ao Brasil com uma difícil missão, conquistar os fiéis adoradores do Papa que foi um dos ícones em matéria de carisma e aceitação por uma parte de uma legião de fiéis. Que Bento XVI, não seja retrogrado e antiquado, mas sim que acompanhe a evolução dos tempos, fazendo com que a igreja católica atenda aos anseios da maioria de seus fiéis, e se renove. Que o Papa seja mais ligth, que seja um Papa POP......................

 

MENINA, MULHER...........................MÃE.

http://www.jornalorebate.com/67/mae.bmp Seja branca ou negra, jovem ou idosa, alta ou magra, não importa, o que mais importa é o amor que todas tem pelos seres que trouxeram ao mundo. Menina-mãe, mãe-menina, todas mulheres. Carrega no semblante a sombra de tudo que passa em sua caminhada para cuidar de sua cria. Racionais ou irracionais, sempre mãe. Para os filhos todas tem, pureza angelical, mas se molestado o seu ninho tornam se feras prontas papa dar o bote.
A passagem de menina para mulher não lhes traz tanta transformação, mas a passagem mãe-mulher essa sim, transforma a mulher no ser mais invejado, amado e único. Único por ser mãe uma só, amado por não ter amor maior que de mãe para filho, ou de filho para mãe, e invejado, por ter sido escolhido por Deus para ser o ser que traz vida á vida.

Para completar o homem, Deus a fez mulher...
Mas para participar no milagre da vida, Deus a fez mãe.

Para liderar uma casa , Deus a fez mulher...
Mas para edificar um lar, Deus a fez mãe.

Para estudar, trabalhar e competir, Deus a fez mulher...
Mas para guiar a criança insegura, Deus a fez mãe.

Para os desafios da sociedade, Deus a fez mulher...
Mas para o amor, a ternura e o carinho, Deus a fez mãe.

Para fazer qualquer trabalho, Deus a fez mulher...
Mas para embalar o berço e construir um caráter, Deus a fez mãe.

Para ser princesa, Deus a fez mulher...
Mas para ser rainha, Deus a fez mãe.

Você o mais lindo presente de Deus.
A todas as mães presentes e a todas ausentes também por obra do destino, mas que nunca serão esquecidas em nenhum momento, por aqueles que nasceram do ser mais abençoado do mundo, de uma menina, de uma mulher........mas todas......mães.......felicidades pelo seu dia.....FUI!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Há muito ficou para trás os lenços balançando no porte de Kobe. Alguns arrependidos por não terem ido, outros tristes por não ter tido a sorte de estar no navio e poucos maldizendo a coragem dos patrícios de deixarem sua terra natal, ainda que afundada economicamente, mas seu lar, para tentar a sorte em uma terra desconhecida: Brasil.

Foram 52 exaustivos dias de viagem numa embarcação de 6 toneladas. Nesses 52 dias teve apenas 2 paradas nas 21 mil milhas que percorreram: Cingapura e África do Sul.

Chegaram mesmo no dia 17, quando o imponente Kasato Maru aportou no cais 14, do Porto de Santos. Todos vieram das províncias de Fukushima, Tókio, Kumamoto, Ehime, hiroshima, Niigata, Ymaguchi e a grande maioria de Okinawa, Kagoshima e Fukushima.

O Acordo firmado em 6 de novembro de 1907 entre a companhia Imperial Tókio-Japão e o governo do estado de São Paulo, foi para que os colonos aqui permanecessem 5 anos trabalhando nas lavouras de café do Estado.

O incentivo a imigração, foi uma forma que o governo japonês encontrou para diminuir a miséria e o alto índice de desemprego que se encontrava o país. O kasato Maru era de fabricação russa e acabou nas mãos dos japoneses após a guerra Russo-japonesa.

Em 1942, entrou na lista da esquadra japonesa na 2ª Guerra Mundial. Em 9 de agosto de 1945, foi bombardeado por 3 aviões. Foram mais de 3 horas de bombardeio até que o Kasto-Maru afundou nas águas geladas domar de Bering.

Quando às 7 horas da manha desembarcou a 1ª leva japonesa, foram de longe observados por olhos curiosos de brasileiros, que achavam estranha aquela gente de tão diferente fisionomia.

Viagem kasatu Maru trouxe 781 imigrantes

O 1º destino: Hospedaria dos imigrantes São Paulo, numa viagem feita num trem de 2º classe, carregavam nas mãos pouca bagagem, e com um respeito que se assemelhava a segurança, as bandeiras do Brasil e do Japão nas mãos.

Hospedaria São Paulo

2º Destino a incerteza por não saber para onde ir, ou o que encontraria pela frente. Foram 5 dias de espera até ser selados os destinos dos tripulantes daquele que trouxe o povo e ajudou a transformar os destinos de uma nação.

Chegada em São Paulo

VOCÊ DEVE ESTAR SEMPRE CONSCIENTE QUE SUA CABEÇA, CRIA SEU MUNDO .

A cabeça de cada pessoa é seu guia, tudo que você fizer para que sua vida se transforme, seja para o bem ou para o mal, será semente que você plantará para seu futuro. Cada pessoa colherá aquilo que plantou, ninguém é uma ilha que possa viver isolado, mas sabemos que nem todos são iguais e que uma batata podre dentro de um saco, com certeza estragará o resto. A nossa cabeça é nosso guia, muitas vezes nos guiamos pela razão e deixamos a emoção de lado, mesmo sabendo que a emoção em muitos momentos de nossa vida deve falar mais alto, por mais que nossa consciência diga que não. Temos uma peça vital em nosso ser que se chama coração, esse comanda nossa emoção, enquanto que o cérebro comanda a razão. Mas e ai?? A quem devemos obedecer?? Seria tão mais fácil seguir o coração, a razão muitas vezes nos frustra. Mas e ai?? Viver só de emoção?? Que bom seria, poder ser feliz sempre. Não pensar em conseqüências, não pensar no amanhã, simplesmente nos deixar levar. Mas a vida é bem mais do que isso: É um grande palco onde teatralizamos nossa vida e nossas atitudes ficam expostas, á mercê de julgamentos que nem sempre condizem com o que almejamos ou tentamos realizar. Temos um ideal e muitas vezes ele é confundido com o que as pessoas desejem que ele seja. Então cada cabeça sabe o que quer e o que planeja, seja você mesmo e feliz. Se sua consciência lhe diz que está certo...siga-a. Sua cabeça é você....É O SEU MUNDO.

TU TE TORNAS IMPORTANTE POR AQUILO QUE CATIVA...

Em nossa caminhada por essa vida, milhares de pessoas passam por ela, ou passamos por milhares de pessoas, mas existem algumas que permanecem e se tornam importantes para nós. Essas seguirão nossos passos e nosso rumo para todo sempre, tornando se em nossa vida, elo de ligação entre o sonho e a realidade. Existem pessoas que são uma dádiva de Deus em nossas vida, essas são sinceras, amigas, companheiras para as horas boas e ruins, e importantes simplesmente por existirem e fazerem parte de nossa vida. Márcio Ruffo parabéns pelo seu dia e obrigado por existir. Você é muito gente ... FUI!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Márcio Ruffo

 

“Lentamente desaparece no horizonte a Terra mãe. Sonhos e temores, esperanças e muita coragem são embalados, conforme o balanço do navio, numa viagem que durará para muitos uma eternidade, e para alguns o fim será breve.

No limítrofe de distancia ainda se vê luzes semelhantes, lanternas que tremelicam ao longe, deixando na mente de cada um que se distância de sua terra, saudade e uma única certeza: essa pode ser a ultima vez que vêem os resquícios da pátria mãe: A terra do Sol Nascente.” 

 

Há 60 anos, no dia 6 de agosto, a cidade japonesa de Hiroshima foi atingida pela bomba atômica, lançada pelos Estados Unidos, durante a Segunda Guerra Mundial. Três dias depois, Nagasaki viveria o mesmo drama. Todos os anos, as vítimas são lembradas no Parque Memorial da Paz, em Hiroshima, de uma maneira muito especial. O local amanhece repleto de tsurus de origami, feitos por pessoas de vários países, a maioria estudantes. Quem faz mil tsurus de origami, diz a lenda, tem um desejo realizado. A crença ganhou força e ainda mais simbologia com a história da garota Sadako Sasaki, de Hiroshima, que, aos 12 anos, adquiriu leucemia, devido à contaminação pela radiação da bomba. Com a doença, Sadako passou a acreditar que se conseguisse dobrar mil tsurus alcançaria a cura. A menina havia dobrado 646 tsurus (há registros de que seriam 964), quando morreu em 25 de outubro de 1955. Amigos dobraram o restante a tempo para o enterro. O episódio inspirou estudantes a formar um clube para arrecadar dinheiro e erguer um monumento em homenagem às crianças.

Pedaçinho do Céu

Vocês conhecem Colômbia? Não né!!

Então! Colômbia é um pedaço do mundo que ainda está preservado. 

Lá não tem destruição total da natureza e só preservação, os rios ainda não estão poluídos, e tudo que se planta dá.

O progresso lá chegou aos poucos, mas os moradores antigos e tradicionais da cidade não se importam com isso. 

Ponte Gumercindo Penteado 

Uma preocupação muito antiga é quanto a ponte localizada na cidade e que faz divisa com Minas Gerais: Ponte Gumercindo Penteado. Nossa! Quanta saudade todos tem da época de sua construção e dos passeios e piqueniques que fizeram na mesma.

Há anos ela se encontra em estado deplorável e lamentável, buracos por todo trajeto. 


Situação Ponte Hoje Mato ao lado da ponte

Essa ponte, faz parte da história da minha infância, agora depois de muita luta e idas e vindas, projetos e mais projetos. O prefeito Fabio Alexandre Barbosa, um jovem de 35 anos correu atrás, e hoje já é uma realidade, que a reforma da ponte que estava deteriorando, onde dava medo até de passar de carro ou sem vai sair. 

Prefeito Fábio e Luiza Povoa 

Essa foi uma espera de mais de 20 anos. Mas a luta não foi em vão. O nosso pedaço do céu, vai continuar a ser preservado. Mas que esses recursos financeiros não demorem a chegar porque a preocupação tanto do prefeito como da população para que nada de mais grave aconteça é iminente.

E se um dia você estiver de boa e quiser descansar e conhecer um lugar que o homem ainda conseguiu destruir. Visite Colômbia!!!

Abandono

Dói, fere e em muitos casos mata... 

 

O maior abandono é o da gente mesmo... É o abandono do seu ser, da sua personalidade.

A sua índole é nata. Nunca perca sua essência. Pode até perder a aparência, mas nunca abandone a essência essa é seu referencial para um futuro e assim..... seja FELIZ.

OS IMIGRANTES VINDOS NO KASSATO MARU, NÃO FORAM OS PRIMEIROS JAPONESES A CHEGAREM AO BRASIL. OS PRIMEIROS VIVERAM EM MACAÉ-RJ.

Oficialmente a presença japonesa no Brasil data de 1908, mas dois anos antes, (Ano 39 da Era Meiji) chegaram ao país, Teijiro Suzuki, Saburo Kumabe, Rio-iti yassuda, Masahiko Matsushita, Tomozo Kodama, Shinquiti Arikawa e Umekiti Akeho. Esses foram os primeiro imigrantes a chegarem. Registros documentais revelam que os primeiros migrantes japoneses que chegaram ao Brasil viveram em Macaé, no Rio de Janeiro, pelo menos desde 1906, e portanto, dois anos antes das levas da migração oficial, em 1908. Esta foi uma das descobertas de Mariléia Franco Marinho Inoue, da Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e uma das pesquisadoras de diferentes universidades que, sob diferentes abordagens, investiga o tema da imigração nipônica. Por iniciativa da coordenadora de Editoração da FAPERJ, Ismênia de Lima Martins, estes pesquisadores foram reunidos num único grupo, com um objetivo prático: sistematizar esforços e otimizar a utilização dos recursos existentes para a realização de três diferentes projetos previstos para as comemorações do centenário da imigração japonesa no Brasil, ano que vem. Mariléia Inoue faz parte do grupo de pesquisadores Embora a chegada do navio tenha ficado conhecida como o início da imigração oficial, a colônia oriental de Macaé também deixou suas marcas em terras fluminenses. Antecedendo as longas negociações entre o governo brasileiro e o império do Japão, os japoneses de Macaé vieram por conta própria, aventurando-se para um país do outro lado do mundo, sobre o qual pouco ou nada sabiam. Intelectuais e profissionais de nível técnico, eles tinham um perfil bem diferente das levas migratórias seguintes, na maioria de origem rural.

Ai em 1908, logo na chegada do Kassato Maru, os japoneses que vieram nesse barco foram levados para o hotel dos imigrantes em São Paulo , logo depois foram distribuídos para seis fazendas, também no interior paulista.

FAZENDA

MUNICÍPIO

PROCEDÊNCIA

FAMÍLIA

AVULSO

Dumont

Ribeirão Preto

Fukushima, Kumamoto, Kagoshima, Hiroshima, Miyagi e Tóquio

51

13

Guatapará

Ribeirão Preto

Kagoshima, Niigata e Hiroshima

23

6

São Martinho

Sertãozinho

Kagoshima

27

12

Sobrado

São Manoel

Yamagushi e Ehime

15

0

Floresta

Indaiatuba

Okinawa

24

3

Chanaan

São Simão

Okinawa

24

6

Mas a adaptação dessas famílias foi difícil. O isolamento em que se encontravam faziam-os procurar outros lugares para viver, sendo impedidos muitas vezes por fazendeiros que alegavam ter eles muitas dívidas com a fazenda e terem que pagar primeiro, fato esse que era muito difícil, porque o ouro em cachos que era o tão sonhado café, não rendia aos bolsos nipônicos o esperado, que não encontraram na colheita do café, a habilidade que tinham no manejo com outras culturas em sua terra. Mesmo assim muitos conseguiram logo sua independência dos primeiros fazendeiros, porque famílias grandes, tinham mais chances de logo adquirirem o dinheiro para saldar sua dividas.

A MORTE DE TOMI NAKAGAWA, A ULTIMA SOBREVIVENTE DO KASATO MARU.


Desembarque dos passageiros do Kasato Marú

Nessa primeira leva que veio no Kasato Maru, em meio aos 781 passageiros veio a família de Tomi, que tinha na época 1 ano e 8 meses de idade. Vieram da província de Kumamoto, e foram trabalhar em uma das fazendas de café no interior de São Paulo. Logo depois foram para Londrina-PR. Morou em londrina por 50anos. Gostava de ser chamada de Tereza. Os pais de Tomi, voltaram ao Japão depois de 20 anos no Brasil, com eles levaram os 3 filhos mais novos que nasceram no Brasil e deixaram Tomi e duas irmãs, nascidas no Japão.Ela jamais voltou a ver sua família. Casou-se aos 22 anos com Masagi Nakagawa, com que teve 8 filhos, 30 netos, 33 bisnetos, e 1 tataraneto. Viúva recebeu título de cidadã honorária do Paraná em 18 de julho de 2004. A família Real japonesa a visitou por diversas vezes, por ser ela a última remanescente do Kasato Marú. No dia 15 de outubro do ano passado, completaria 100 anos, ocasião que seria comemorada como um marco para os japoneses no Brasil. Mas Tomi, não esperou para participar dos festejos. No dia 11 do mesmo mês, quando sua filha foi acordá-la, ela já tinha passado desta, indo se juntar aos patrícios, companheiros do kasato Maru, de quem sempre que se lembrava, e pelos quais sempre derramava lágrimas. Lembrava de sua mãe contando os sofrimentos pelos quais tinham passado na viagem. Com a morte de Tomi, encerrou-se um ciclo na história da imigração, porque ela era ainda a única lembrança viva de um a história de lutas e determinação por parte dos amarelos que ajudaram a colorir mais o Brasil, com a sua mistura de raças.

“MENTIRA, CHEGA!!!!!!A MÁSCARA CAIU.”

Em muitos momentos da nossa vida somos forçados, a ter muito jogo de cintura e usar de artimanhas para poder sobreviver. Existem muitas formas de sairmos de situações difíceis, mas sempre com sensibilidade e discernimento para não piorar mais ainda a situação. Mas infelizmente muitas pessoas não pensam assim e usam de outros subterfúgios e com certeza o pior deles é sem duvida a “MENTIRA”. A mentira nunca é usada para o bem. Ás vezes ouço dizer que usaram uma mentirinha para poder sair de um problema. Não existe mentirinha. Mentira é mentira e pronto. Em qualquer dimensão ela faz muito mal, se descoberta , ela magoa, desilude, ofende o interior de quem foi enganado. Com certeza dói muito menos uma verdade que vai ter conseqüências graves do que uma mentira que vai aliviar e acalmar a situação. Nada irreal dura. Nada debaixo do sol e do céu fica escondido para sempre. É muito difícil manter uma imagem ilusória, representar 24 horas, tem que ser muito artista. Chega uma hora que as cortinas do grande espetáculo da vida se abrem e nas frias coxias de nosso interior, pesam as conseqüências dos atos errados e para o grande e poderoso covarde, não tem mais jeito: A MÀSCARA CAI ...e ai começa o segundo ato: as consequências........... FUI!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

EQUIPE JORNAL ACONTECE

LUIZA PÓVOA

ALEX SANTOS

ANDERSON PEREIRA

 

Outros artigos
publicidade
publicidade
Crochelandia
Visitantes desde fevereiro de 2006:
32623026

Blogs dos Colunistas

-
Ana
Kaye
Rio de Janeiro
-
Andrei
Bastos
Rio de Janeiro - RJ
-
Carolina
Faria
São Paulo - SP
-
Celso
Lungaretti
São Paulo - SP
-
Cristiane
Visentin

Nova Iorque - USA
-
Daniele
Rodrigues

Macaé - RJ
-
Denise
Dalmacchio
Vila Velha - ES
-
Doroty
Dimolitsas
Sena Madureira - AC
-
Eduardo
Ritter

Porto Alegre - RS
.
Elisio
Peixoto

São Caetano do Sul - SP
.
Francisco
Castro

Barueri - SP
.
Jaqueline
Serávia

Rio das Ostras - RJ
.
Jorge
Hori
São Paulo - SP
.
Jorge
Hessen
Brasília - DF
.
José
Milbs
Macaé - RJ
.
Lourdes
Limeira

João Pessoa - PB
.
Luiz Zatar
Tabajara

Niterói - RJ
.
Marcelo
Sguassabia

Campinas - SP
.
Marta
Peres

Minas Gerais
.
Miriam
Zelikowski

São Paulo - SP
.
Monica
Braga

Macaé - RJ
roney
Roney
Moraes

Cachoeiro - ES
roney
Sandra
Almeida

Cacoal - RO
roney
Soninha
Porto

Cruz Alta - RS