Vencedores e perdedores no último escândalo de Trump

https://jornalorebate.com.br/19-10/trum.jpg
Presidente Donald Trump faz comentários acerca do ex-vice-presidente Joe Biden e da Ucrânia durante encontro com o Presidente Andrzej Duda, da Polônia, em Nova York, na última segunda-feira (23/09/2019) – Foto de Doug Mills - The New York Times

Passaram-se somente 11 dias desde que Adam Schiff, presidente da Comissão de Inteligência da Câmara de Representantes (o equivalente à Câmara dos Deputados no Brasil), revelou que a administração Trump estava retendo ilegalmente uma denúncia do Congresso. Quando a denúncia veio a público, eu – provavelmente como muitos outros observadores – esperávamos que fosse mais um fiasco do governo, um outro exemplo de prevaricação que tinha falhado em atear fogo no Congresso ou no público. 

E que pode ainda ocorrer, e creio e espero que o pessoal das pesquisas esteja a trabalhar enquanto falamos, tentando avaliar a opinião pública sobre o escândalo. Porém, desta vez o quadro parece ser diferente, talvez porque tudo seja tão simples e claro. O Presidente dos Estados Unidos e seu advogado particular ambos admitem que apelaram a um regime estrangeiro para lançar sujeira sobre um de seus rivais políticos. Agora parece que ele tentou pressionar o tal regime estrangeiro retendo uma ajuda militar crucial, o que torna a situação ainda pior. 

O resultado é que esse escândalo está para explodir de uma forma que os escândalos anteriores de Trump, não importa quão sérios tenham sido, nunca tiveram. O voto do impeachment na Câmara passou rapidamente de “improvável” a “mais provável do que nunca”.  

Por que isto é preocupante? De um modo geral, não gosto da alegoria jornalística comum de "vencedores e perdedores" nos acontecimentos políticos. Neste caso, todavia, parece-me uma boa maneira de resumir os resultados até agora. Então, temos aqui três vencedores e dois perdedores dos acontecimentos até agora. 

Vencedores: 

1.    Adam Schiff: Depois de anos, quando parecia que nada poderia abalar a habilidade de Trump para impedir, Schiff iniciou uma avalanche que tem boa possibilidade de fazer o muro desabar. 

2.    A narrativa de Trump como traidor da América: tem havido evidência abundante, durante todo esse tempo, de que a equipe de Trump conspirou com a Rússia, em 2016, e de que Trump no cargo tem estado muito feliz em levar água para cruéis autocratas estrangeiros. Contudo, tudo foi complicado e obscuro o suficiente para confundir muita gente. Pressionar a Ucrânia a manchar a imagem do filho de Joe Biden é algo que todos podem entender e isto pode tornar as demais acusações anteriores dignas de credibilidade. 

3.    Repórteres diligentes: não temos todos os fatos a respeito do que Trump e companhia fizeram exatamente para detonar o delator, mas nos últimos dez dias começou a ocorrer, uma após outra, uma série de revelações devastadoras, tudo graças a repórteres dos principais meios de comunicação, incluindo o The Times. 

Perdedores 

1.    Análises jornalísticas “experientes”: os dois grandes pecados da mídia, em 2016, foram a falsa equivalência e a substituição da especulação a respeito de como as coisas iriam "tocar" pela descrição do que realmente estava acontecendo. Com certeza, a primeira reação de alguns na mídia foi apresentar o comprovado abuso de poder de Trump e as afirmações de corrupção completamente infundadas feitas por Joe Biden, como comparativamente graves, e sugerir que o episódio de alguma forma "levantava dúvidas" sobre o ex-vice-presidente Biden - um tipo de ação evasiva e covarde em relação à obrigação da mídia de chegar à verdade.  Porém, artigos nesse sentido geraram críticas enormes e tenho visto cada vez menos esse tipo de trabalho nos últimos tempos. 

2.    Senadores republicanos: Agora está parecendo que os senadores republicanos terão de votar as acusações que levarão ao impeachment – acusações baseadas em abusos documentais, com interpretações indiscutíveis. A maioria deles, naturalmente, votará pela absolvição. Contudo, ao fazerem isto, exporão sua própria corrupção e deslealdade aos princípios americanos para que todos vejam. 

Rapidinhas 

Os Pais Fundadores - Washington, Jefferson, Adams, dentre outros - preocupavam-se muito com a influência estrangeira na política dos EUA; algumas vezes parece que Trump tem usado essas preocupações como um manual de operações. 

É importante compreender que a Ucrânia está engajada em uma guerra de baixa intensidade com o ditador favorito de Trump. 

A diplomacia depende do uso de palitos e cenouras. Trump tomou para si o lado dos palitos, mas o lado das cenouras está sem patrono porque ninguém acredita que ele irá, Trump, honrar suas promessas. 

Você pode sentir pena dos republicanos, que sabem que qualquer crítica a Trump os deixará com a base. Por outro lado, não se esqueça; eles escolheram por si próprios estarem naquela posição. 

(*) Paul Krugman ganhou o Prêmio Nobel de Economia em 2008. 

Traduzido do Inglês por A. Pertence

publicidade
publicidade
Crochelandia
Visitantes desde fevereiro de 2006:
33771570

Blogs dos Colunistas

-
Ana
Kaye
Rio de Janeiro
-
Andrei
Bastos
Rio de Janeiro - RJ
-
Carolina
Faria
São Paulo - SP
-
Celso
Lungaretti
São Paulo - SP
-
Cristiane
Visentin

Nova Iorque - USA
-
Daniele
Rodrigues

Macaé - RJ
-
Denise
Dalmacchio
Vila Velha - ES
-
Doroty
Dimolitsas
Sena Madureira - AC
-
Eduardo
Ritter

Porto Alegre - RS
.
Elisio
Peixoto

São Caetano do Sul - SP
.
Francisco
Castro

Barueri - SP
.
Jaqueline
Serávia

Rio das Ostras - RJ
.
Jorge
Hori
São Paulo - SP
.
Jorge
Hessen
Brasília - DF
.
José
Milbs
Macaé - RJ
.
Lourdes
Limeira

João Pessoa - PB
.
Luiz Zatar
Tabajara

Niterói - RJ
.
Marcelo
Sguassabia

Campinas - SP
.
Marta
Peres

Minas Gerais
.
Miriam
Zelikowski

São Paulo - SP
.
Monica
Braga

Macaé - RJ
roney
Roney
Moraes

Cachoeiro - ES
roney
Sandra
Almeida

Cacoal - RO
roney
Soninha
Porto

Cruz Alta - RS