A arte da provocação

Um Estado que, sem motivo real, denunciou um acordo internacional de desarmamento negociado durante longos anos, pode, logo depois, ameaçar de agressão militar um outro Estado signatário? Pode ele ordenar que todos os países a se alinhem com suas posições caprichosas e belicosas, sob pena de sofrerem sanções exageradas? Quando se trata dos Estados Unidos, a resposta é “sim”.

https://jornalorebate.com.br/19-07/trump.jpg

Em resumo, é totalmente inútil perder tempo analisando as razões invocadas pela Casa Branca para justificar sua escalada contra o Irã. Imaginemos que John Bolton, conselheiro de segurança nacional do presidente Donald Trump, e Michael Pompeo, secretário de Estado, designaram aos diplomatas e aos serviços de investigação americanos uma missão do tipo: “procurem pretextos, eu me encarrego da guerra.”

Bolton não carece nem de experiência nem de atualização de ideias. Em março de 2015, quando seu fanatismo em favor da invasão do Iraque reduziu sua influência, ele publicou no New York Times um artigo intitulado: “Para deter a bomba iraniana, é necessário bombardear o Irã”. Depois de ter afirmado que Teerã jamais negociaria o fim de seu programa nuclear, ele concluiu: “Os Estados Unidos poderiam executar um trabalho exaustivo de destruição, mas somente Israel poderia fazer o que é necessário. (...) O objetivo seria a mudança do regime em Teerã (1).”

Alguns meses mais tarde, um acordo nuclear com o Irã tinha sido assinado por todas as grandes potências, inclusive os Estados Unidos. De acordo com a Agência Internacional de Energia Atômica, Teerã estava respeitando escrupulosamente os termos desse Acordo. Todavia, Bolton não estava satisfeito. Em 2018, antecipando-se às posições de guerra do governo israelense e da monarquia saudita, ele se apegava sempre à sua “mudança do regime”: “A política oficial dos Estados Unidos, escreveu ele, deverá ser a do fim da revolução islâmica iraniana antes de seu quadragésimo aniversário. Isso iria lavar a vergonha de ter nossos diplomatas detidos como reféns por quatrocentos e quarenta e quatro dias. E esses ex-reféns poderiam até mesmo desatar a fita da inauguração de uma nova embaixada nossa a ser construída em Teerã (2).”

O atual presidente dos Estados Unidos fez campanha contra a política das “mudanças do regime”, isto é, as guerras de agressão americanas. O pior ainda não é certo. Todavia, a paz deverá ser bem frágil para que ela pareça depender da capacidade de Trump de controlar os enraivecidos conselheiros que ele próprio nomeou. Asfixiar economicamente o Irã com o concurso de capitais e das grandes empresas ocidentais (restritas e submissas), Washington pretende que seu embargo obrigará Teerã a se render.

Na realidade, Bolton e Pompeo sabem que essa mesma estratégia falhou na Coreia do Norte e em Cuba. Em vez disso, eles esperam uma reação iraniana que eles apresentariam triunfalmente como uma agressão que pediria uma "resposta" americana.

Intoxicações, falsificações, manipulações, provocações: depois do Iraque, da Líbia e do Iêmem, os neoconservadores indicaram sua próxima vítima.

Serge Halimi 

Traduzido do Francês por A. Pertence

publicidade
publicidade
Crochelandia
Visitantes desde fevereiro de 2006:
32909628

Blogs dos Colunistas

-
Ana
Kaye
Rio de Janeiro
-
Andrei
Bastos
Rio de Janeiro - RJ
-
Carolina
Faria
São Paulo - SP
-
Celso
Lungaretti
São Paulo - SP
-
Cristiane
Visentin

Nova Iorque - USA
-
Daniele
Rodrigues

Macaé - RJ
-
Denise
Dalmacchio
Vila Velha - ES
-
Doroty
Dimolitsas
Sena Madureira - AC
-
Eduardo
Ritter

Porto Alegre - RS
.
Elisio
Peixoto

São Caetano do Sul - SP
.
Francisco
Castro

Barueri - SP
.
Jaqueline
Serávia

Rio das Ostras - RJ
.
Jorge
Hori
São Paulo - SP
.
Jorge
Hessen
Brasília - DF
.
José
Milbs
Macaé - RJ
.
Lourdes
Limeira

João Pessoa - PB
.
Luiz Zatar
Tabajara

Niterói - RJ
.
Marcelo
Sguassabia

Campinas - SP
.
Marta
Peres

Minas Gerais
.
Miriam
Zelikowski

São Paulo - SP
.
Monica
Braga

Macaé - RJ
roney
Roney
Moraes

Cachoeiro - ES
roney
Sandra
Almeida

Cacoal - RO
roney
Soninha
Porto

Cruz Alta - RS