São filhos da terra e vivem mui mal, Com mãos sofredoras, até retalhadas, Grosseiras, sangrando, por fibras malvadas, As fibras das folhas, do duro sisal. Os corpos cobertos por parcos retalhos, A pele tão rude em corpos, crianças, Nos braços feridas cobertas com trapos, Na mente, será? Carregam esperanças? O sonho da escola? Promessas, mentiras, Que embalam seus sonhos, em noite fantasma, No

       O que está havendo com a humanidade? Onde estão os sentimentos? Não há razão para a nossa existência? Para que existimos? Essas e muitas outras indagações me deixam sem resposta diante do atual comportamento da sociedade.        Ao sermos abordados por uma criança sem tratos, prontamente optamos por pensar que diante de nós está um delinqüente ou, no mínimo, um menor infrator do qual logo

     Assistimos, hoje, 12 de setembro de 2007, à demolição das torres gêmeas do Planalto e o funeral da vilipendiada democracia brasileira. E onde estava o nosso Presidente? Outra vez fugindo da responsabilidade, não é?      O senado, de portas fechadas, abrigava em seu interior 81 "seres humanos" que deveriam, imaginávamos imbuídos de responsabilidades, desempenhar suas obrigações

Hoje estou, pela primeira vez, expondo-me à apreciação de todos vocês que, como eu, são brasileiros. A escrita é uma das opções existentes, nos dias atuais, para que possamos trocar informações e conhecimentos. Nossa intenção é que, além da preocupação com a arte literária, façamos com que ela esteja acoplada ou venha sempre acompanhada de outra informação de caráter técnico ou científico,

Se nós fazemos uso da escrita, Para externar o nosso sentimento, Sejamos probos, sérios, realistas, E externemos nosso sofrimento. Não é possível nesta vida – Ingrata? Fazer de conta que estamos bem, Ou comportar-se como aristocrata. Mas, sim, lutar contra esse mal que vem. O crime impera e o governo ajuda. Bandidos livres. Nós estamos presos. Justiça pobre e permanece muda. Não deveremos

        Num pequeno sítio, com muito verde e tranqüilidade, onde muitas árvores tentavam proteger o rigor do sol sobre os canteiros de vicejantes hortaliças, situados ao fundo de uma pequena morada, onde vivia a menina que cozinhava esperanças, ocorreu esse caso.        Era uma simples menina, como outra qualquer, com aproximadamente onze anos, sentimentos femininos e as ilusões próprias de

        No mundo dos cegos, encontram-se maravilhas jamais vistas por aqueles que possuem os olhos bem abertos para o mundo. Na verdade, as maiores, mais belas, mais desejadas e gostosas coisas da vida, não estão por aí, espalhadas na face da terra à disposição de todos. Estão, sim, reservadas para poucos, somente para aqueles que conseguem enxergar, não com os olhos, mas com a virtude da

Thomas Edson, Marconi, Mendel, Bell e Maomé, Einsten, Strauss e Sheaskpeare, Vejam só como é que é: Todos loucos como dizem? Ou homens de muita fé? Inventos, composições, Teorias, religiões. Churchill, Napoleão, Braço forte e rédea à mão, Ghandi a luz da suave paz, Luther King, homem que a faz. Tantos loucos necessários, Defenderam a humanidade, Antigos ou tão recentes, Que ainda dói a saudade,

      Noite escura, o estômago arde, o esôfago queima, o peito inquieta-se, um grande mal-estar se apodera de mim, um apito rompe o silêncio, é meia noite e a primeira ronda do guarda-noturno. A suavidade faz-se presente no semblante de minha esposa que, ao meu lado, deixa escapar um leve ronco, o sono é profundo. Agoniado pelo mal-estar, levanto-me, vagarosamente, porque poderia, num movimento

Não sei quando começou o tempo, Sequer, o tempo que ele durará, Mas, eu preciso perceber, em tempo, Qual é o tempo que terei, no tempo, Para fazer o que pretendo, a tempo. Não vou passar aqui somente um tempo, Na infinidade que o tempo tem? Se aproveitar o tempo e me tornar saudade, No coração aberto de um outro alguém, Deixo-o na vida para novo tempo. Então somando todos nossos tempos, Se,

À todos solto meus versos: (“Orgulho é ser brasileiro, Vergonha é ter como “chefe”, Esse tal de “companheiro”) Quanta tristeza me invade E me gasta a paciência, Ter por líder um covarde, Que se esconde na inocência. Quem não pune o infrator, Por ser dele um amigo, É omisso e sem amor, Põe o Brasil em perigo. Da cultura é o avesso, Diz que ler é muito chato, Quando fala é só tropeço, Prefiro

Jamais deixo que palavras estratégicas, maliciosamente, colocadas num contexto, consigam transgredir os meus conceitos de justiça e legalidade. Mantenho a fiel verdade no meu inabalável princípio de vida. Desprezo, veementemente, às notícias desconexas, as montagens irreais, impulsos sentimentais, "figuras que envergonham" e as frases que nada dizem. Não consigo entender a humanidade

     Devo a você tudo que sei. Desde as primeiras letras estavas comigo, ensinou-me palavras, construímos frases e textos, expusemos também nosso mais íntimo sentimento. Foi ainda através de você que abri os meus olhos para o mundo.  Mostraste-me nas belezas da vida, o esplendor de uma rosa se abrindo, o fruto vermelho no bico de um pássaro azul como o céu, mesclado por nuvens tão alvas, tal qual
publicidade
publicidade
Crochelandia
publicidade
publicidade
Visitantes desde fevereiro de 2006:
30008287

Blogs dos Colunistas

-
Ana
Kaye
Rio de Janeiro
-
Andrei
Bastos
Rio de Janeiro - RJ
-
Carolina
Faria
São Paulo - SP
-
Celso
Lungaretti
São Paulo - SP
-
Cristiane
Visentin

Nova Iorque - USA
-
Daniele
Rodrigues

Macaé - RJ
-
Denise
Dalmacchio
Vila Velha - ES
-
Doroty
Dimolitsas
Sena Madureira - AC
-
Eduardo
Ritter

Porto Alegre - RS
.
Elisio
Peixoto

São Caetano do Sul - SP
.
Francisco
Castro

Barueri - SP
.
Jaqueline
Serávia

Rio das Ostras - RJ
.
Jorge
Hori
São Paulo - SP
.
Jorge
Hessen
Brasília - DF
.
José
Milbs
Macaé - RJ
.
Lourdes
Limeira

João Pessoa - PB
.
Luiz Zatar
Tabajara

Niterói - RJ
.
Marcelo
Sguassabia

Campinas - SP
.
Marta
Peres

Minas Gerais
.
Miriam
Zelikowski

São Paulo - SP
.
Monica
Braga

Macaé - RJ
roney
Roney
Moraes

Cachoeiro - ES
roney
Sandra
Almeida

Cacoal - RO
roney
Soninha
Porto

Cruz Alta - RS