Imagens: extraídas da internet

http://www.jornalorebate.com/75/leo1.jpgUma campanha do site da organização não-governamental (ONG) Cool Earth, promete comprar e proteger terras na Amazônia incentivando as pessoas a patrocinarem a preservação de terrenos na Floresta Amazônica para ajudar a combater o aquecimento global. A iniciativa foi lançada no mês passado pelo milionário sueco Johan Eliasch, que em 2005 comprou uma área de 160 mil hectares em Manicoré (a 332 quilômetros ao sul de Manaus) da madeireira americana Gethal. Johan é proprietário da empresa de material esportivo Head e dono de uma fortuna pessoal avaliada em 355 milhões de libras, cerca de R$ 1,4 bilhão.
Os pedidos de patrocínio foram anunciados no site da instituição com valores que vão de 35 a 50 libras (aproximadamente R$ 133 a R$ 190 reais) por meio acre (cerca de 2 mil metros quadrados ou um quarto de um campo de futebol) de floresta no Brasil ou no Equador.
http://www.jornalorebate.com/75/leo2.jpgO site promete que, depois de feita a transação, o terreno a ser protegido poderá ser acompanhado constantemente por meio de mapas virtuais feitos com imagens de satélites. Aos doadores também são prometidos boletins informativos de guardas ambientais locais, empregados pela organização, sobre a preservação da área.
"Se um milhão de pessoas fizerem isso (patrocinarem um acre de floresta), haverá um enorme impacto no combate ao aquecimento global, protegendo florestas ameaçadas e os animais selvagens que lá vivem, e criando empregos sustentáveis para as comunidades locais", diz uma declaração emitida pela Cool Earth.
De acordo com a ONG, o dinheiro arrecadado tem dois destinos. O primeiro é investir na preservação de florestas que já estão protegidas ou que já são de propriedade da entidade ou de parceiros. Um segundo destino da receita é a compra de terras e com isso evitar a derrubada da vegetação, impedindo a liberação de toneladas de gás carbônico (CO2) na atmosfera.
Embora o apoio do público tenha sido grande, organizações ambientalistas que trabalham na região amazônica criticam a proposta da Cool Earth de comprar terras na região, pela dificuldade em se estabelecer a propriedade legítima de muitos desses terrenos.
O ambientalista Paulo Adario, coordenador da campanha Amazônia do Greenpeace, afirma que a grilagem de terras públicas na região foi tão intensa, que hoje em dia é muito difícil conseguir grandes extensões de terras com documentação legal.
“É uma visão de pessoas bem intencionadas, mas que desconhecem a complexidade e dificuldade do local”, afirmou Adario, que vive em Manaus, onde fica o escritório regional do Greenpeace que cuida da Amazônia.
Além disso, o endurecimento da legislação tornou mais difícil a regularização de terras de origem duvidosa e impede a venda de terras em áreas de floresta. Segundo Adario, do Greenpeace, apenas 23% da área total da Amazônia são de propriedade privada regularizada, e 18% do total já foram desmatados. Outros 41% são terras públicas com destinação já definida, como reservas indígenas e assentamentos. “Os 37% restantes são terras públicas que estão sendo disputadas”.
A melhor maneira de ajudar a preservar a floresta, na avaliação do Greenpeace, é se aliar ao governo brasileiro na vigilância de áreas que já foram destinadas a projetos de conservação, mas que não saíram do papel por falta de recursos. Marcio Santilli, do Instituto Socioambiental, também defende a atuação das ONGs estrangeiras em cooperação com o governo brasileiro. “Vale mais a pena investir nisso, num jogo casado com o Poder Público, do que tentar áreas privadas”, diz ele.
Essas áreas protegidas estão, por exemplo, na divisa entre os Estados de Mato Grosso e Amazonas, e ao longo da Rodovia BR 163, que liga Cuiabá a Santarém. Estima-se que 80% das áreas desmatadas estejam numa faixa de 100 quilômetros ao longo das rodovias que cortam a região. 

Imagens: Divulgação

http://www.jornalorebate.com/74/boi.jpgO Amazonas vive momentos de grande expectativa. Está para começar mais uma edição de uma das festas mais populares da região norte: o Festival Folclórico de Parintins, realizado no município de Parintins, ilha localizada a 369 km de Manaus. Acontece no último final de semana do mês de junho e gira em torno da disputa que envolvem dois bois: o Caprichoso, touro negro da estrela azul, contra o Garantido, touro branco do coração vermelho.

Atualmente, o evento atrai mais de 100 mil pessoas de todas as partes do mundo. A cada noite, o resultado dos ensaios nas quadras de Caprichoso e Garantido é apresentado através do conjunto folclórico, inspirado em lendas de pajelanças indígenas de várias tribos, e costumes caboclos da amazônia. Marcada pelas impressionantes alegorias representadas por carros gigantescos confeccionados por artistas parintinenses, a disputa baseia-se em lendas locais, as quais, ano após ano, voltam a povoar o imaginário popular, representando a história do homem amazônico através de uma grande festa, a qual contagia com suas toadas tanto os brincantes quanto o público nas arquibancadas.

http://www.jornalorebate.com/74/boi2.jpgMas, pouco a pouco o festival vem deixando se ser uma festa popular. Hoje, chegar a Parintins custa o mesmo preço que ir a Brasília apesar do percurso ser quase sete vezes menor. Um vôo Manaus-Parintins custa quase 300 reais. Desta forma, os barcos se tornam mais acessíveis, mas não menos caros. A viagem, ida e volta, para dormir em redes varia de 140 a 180 reais. Um valor relativamente alto, para as condições que vivem a maioria dos amazonenses. Mas os custos elevados não param por ai. A estadia nos hotéis durante o festival chega a surpreender ate mesmo pessoas que estão acostumadas a viajar. Alessandra Freitas, 30 anos, e mais três amigas conseguiram vaga em uma pousada e vão pagar por três dias de hospedagem R$ 1.200,00. “É um absurdo, não é possível que ninguém veja como a cada ano que passa essa festa está cada vez mais elitizada. É preciso fazer alguma coisa.” Para aqueles que vão prestigiar o evento mas não contam com muitos recursos, acabam alugando espaços nos quintais das casas dos moradores. Para ocupar um espaço de 9 m², Luis Carlos vai desembolsar R$ 80,00. “Todo ano venho para a festa e sempre alugo um espaço para montar a minha barraca. O preço que cobram nos hotéis está longe da realidade que vive a maioria das pessoas que vem para o festival.” desabafa.

publicidade
publicidade
Crochelandia
publicidade
publicidade
Visitantes desde fevereiro de 2006:
30008353

Blogs dos Colunistas

-
Ana
Kaye
Rio de Janeiro
-
Andrei
Bastos
Rio de Janeiro - RJ
-
Carolina
Faria
São Paulo - SP
-
Celso
Lungaretti
São Paulo - SP
-
Cristiane
Visentin

Nova Iorque - USA
-
Daniele
Rodrigues

Macaé - RJ
-
Denise
Dalmacchio
Vila Velha - ES
-
Doroty
Dimolitsas
Sena Madureira - AC
-
Eduardo
Ritter

Porto Alegre - RS
.
Elisio
Peixoto

São Caetano do Sul - SP
.
Francisco
Castro

Barueri - SP
.
Jaqueline
Serávia

Rio das Ostras - RJ
.
Jorge
Hori
São Paulo - SP
.
Jorge
Hessen
Brasília - DF
.
José
Milbs
Macaé - RJ
.
Lourdes
Limeira

João Pessoa - PB
.
Luiz Zatar
Tabajara

Niterói - RJ
.
Marcelo
Sguassabia

Campinas - SP
.
Marta
Peres

Minas Gerais
.
Miriam
Zelikowski

São Paulo - SP
.
Monica
Braga

Macaé - RJ
roney
Roney
Moraes

Cachoeiro - ES
roney
Sandra
Almeida

Cacoal - RO
roney
Soninha
Porto

Cruz Alta - RS