CARTA ABERTA EM DEFESA DO THEATRO XVIII

Quando o insuportável Coelho Branco, titubeante, disse não saber mais como começar seu depoimento, o Rei de Copas aconselhou: “Comece pelo começo, em seguida prossiga até o fim, e então pare”. O conselho, proferido num momento crítico de “Alice no País das Maravilhas”, de Lewis Carroll, cabe como uma luva na cara dos brasileiros, em especial, como um tapa na cara dos baianos. E agora mais do que nunca, assumindo um voto de protesto, nós vamos nos debruçar sobre o governo da Bahia que, sob pretexto de uma organização transparente está sucateando todos os segmentos culturais e educacionais do Estado numa prova de que governo mercenário e déspota tem que estar a serviço da alienação como rito de passagem regulatório para o purgatório e para a pulverização dos recursos destinados a cultura.

Não bastante, para completar os desmandos, a saúde pública da Bahia também está a ser pisoteada e sucateada pela sola do governador Jacques Wagner & cia. O PT revanchista – não sabe começar nada direito, perde-se no meio e, dificilmente, como mostra o sistemático emperramento da máquina de apurar escândalos, não adapta o que deu certo nos governos anteriores – é um sucateador com suas bandeiras vermelhas de estrelinhas brancas, com um discurso populista feito para as minorias, aliás, elas, vítimas da raiz utilitária dos porões do PT desaba na armadilha e vota nestes demagogos com incapacidade de concluir um discurso coerente. No hospital Martagão Gesteira, por exemplo, crianças são operadas em mutirões e sem qualquer evento de preparação coletiva, enquanto nas escolas públicas professores continuam recebendo salários medíocres, mesmo depois de uma recente greve que não deu em nada, além da comprovação absoluta da falta de gerenciamento dos órgãos competentes e da incapacidade dos próprios professores em assumir uma postura mais eficaz, como em outras vezes foi assumida por outras classes de trabalhadores, como as dos rodoviários ou dos militares.

Porém, na apresentação do livro “Contos Perversos” ** – que eu organizei no ano passado – escrevi que “é preciso arrancar poesias dos escombros”, principalmente na eterna tristeza abissal em trincheiras sem discursos que andam fazendo com a cultura brasileira nesse país de faz-de-conta. Semana passada, por exemplo, o anúncio do fechamento do Theatro XVIII, no Pelourinho – Salvador, causou tristeza entre os assíduos freqüentadores, atores, técnica, produtores, diretores teatrais e todos os extratos sociais da Bahia. O espaço democrático transbordante de arte, de preços acessíveis (R$ 4,00) e espetáculos de qualidade, exposições, cursos para a comunidade e vários outros projetos suspendeu as atividades por falta de verbas para custear suas próprias despesas de funcionamento, e tudo porque o repasse via Secretaria de Cultura (Secult) foi suspenso desde fevereiro deste ano e ainda não foi renovado, em razão de “pendências relativas à prestação de contas”.

Quando Aninha Franco (uma das diretoras do teatro) escreveu sobre o atual secretário de Cultura do Estado, Marcio Meirelles, num texto de apresentação d o espetáculo “A Casa de Minha Alma” que ele foi “a primeira pessoa que ela olhou dentro, e viu histórias, sensações e sentimentos”, mal podia imaginar que a página da amizade estaria rasgada, pois o mesmo Meirelles de ontem seria o Meirelles de agora, com exigências e chicotes nas mãos.

“Nós provamos que o dinheiro entrou na conta, mas eles querem que nós devolvamos os R$ 20 mil da captação”, afirmou a dramaturga e uma das diretoras do XVIII, Aninha Franco. Na foto ao lado, a diretora com o atual secretário da Cultura do Estado, Marcio Meirelles, num tempo onde amizade valia muito mais do que chicotes nas mãos e holofotes na mídia.

FORMAÇÃO DE PÚBLICO – Inaugurado em 1997, o Theatro XVIII é apontado como mais que um espaço de apresentações: inovou e criou um movimento de formação de público ao propor montagens criativas e requintadas em espetáculos como “Quem Inventou o Amor foi Roberto Carlos”, “Três Mulheres e Aparecida”, “Brazis”, “Esse Glauber”, “Os Filhos da Filha da Chiquita Bacana”, e também nos sarais literários, publicações, além de incentivar a dramaturgia local, como o já citado “A Casa de Minha Alma”, que teve argumento, roteiro e direção do Sr. Marcio Meirelles, o pivô da confusão. E o mais engraçado nisso tudo é que o secretário da Cultura que aparentemente deveria conhecer todos os problemas da classe artística vem agora em público exigindo prestação de TODAS as contas, desde nota fiscal da compra de mingau até uma suposta “nota fria” de R$ 20.000,00, enquanto a energia elétrica, água, folha de pagamento de funcionários e prestadores de serviço e até papel higiênico não estão sendo pagos desde março. O que Meirelles precisa saber é que arrogância e consciência raramente caminham lado a lado; e que competência deveria ser inclusa na sua lista de prioridades com urgência.

Em decorrência disso, a direção do teatro enviou um comunicado à imprensa noticiando o fechamento e explicitando a situação calamitosa em razão das dívidas. “Livre, como deve ser uma casa de pensamento, o Theatro XVIII fechará suas portas físicas porque não existe “longa vida” sem água e luz, e aguarda que a Secretaria de Cultura confirme sua intenção de manter a sua inteligência democrática funcionando, como nos últimos dez anos”, diz o texto. E nesta contenda de administração transparente propagandeada pelo Estado, mas sem a devida transparência dos atos de um partido que, na voz proeminente do “mão santa” e, na deixa de ser mais uma organização criminosa de esquerda ou que tem no seu representante maior o Lula que, agora, consegue até proferir a palavra “anacrônico”, num misto de Robin Wood às avessas, estadista e retaliador da direita que coloca no chinelo qualquer rito de ditadura militar, dos seus porões e líderes, mas que não nós deixa mentir: SE RENAN CALHEIROS EM ESTADA PATROCINADA PELA ABSTINÊNCIA E CONCHAVOS DO PT, ENTÃO A CULTURA DEVE SER TRATADA COMO PRODUTO DE QUINTA?

Agora essa má administração, incompetente com é, ingerente do governo do Estado, pois a Bahia está abandonada e à deriva de administrações municipal e estadual que são omissas e incompetentes, além de sitiadas pelo voto de cabresto onde acabaram fechando o Theatro XVIII num ato de selvageria e de prepotência dita transparente, para não dizer irresponsável e mercenária e de continuísmo para que o ópio do povo conceda a sua parte neste latifúndio sitiado de democracia (mas sem vaias, porque isto é ouvido como ditadura) se faça na sua condução apolítica e acéfala.

SENSAÇÃO DE ENTERRO – O Teatro XVIII democratizou a ida do público baiano ao teatro, pela programação, pelo preço e pelas atividades que desenvolvia. Além dos espetáculos, abrigou aulas de história da Bahia, saraus e palestras. E agora, isso ficou com uma sensação de enterro no ar e falo como artista que sou. PARA MIM, O THEATRO XVIII FOI UM GRANDE FOMENTADOR DA MINHA NECESSIDADE DE CRIAR E TAMBÉM UM ARREBANHADOR DA CULTURA BAIANA E DA FORMAÇÃO DE PLATÉIA.

A situação é similar em outros teatros que dependem do financiamento do Estado. Por isso, o desfecho reservado ao Theatro XVIII causa instabilidade em outros espaços da cidade. No Teatro Gamboa Nova, que passa por uma reestruturação desde julho e está em busca de apoio, a notícia foi como um banho de água fria. Durante uma entrevista, integrantes do projeto Companhia Axé do XVIII, ligado ao teatro, protestaram contra fechamento da casa. E no meio de toda essa polêmica o teatro fechou e a cultura parou. É LAMENTÁVEL QUE ESSE TIPO DE COISA AINDA ACONTEÇA NUM GOVERNO QUE PROPAGANDEIA DE FORMA ESQUIZOFRÊNICA OS PRATOS LIMPOS, COMO SE CULTURA FOSSE VENDIDA COMO OS BOIS DO RENAN.

Atualmente e stá sendo realizada uma rigorosa auditoria em todos os projetos apoiados pelo Fundo de Cultura e pelo Fazcultura, explicou o superintendente de Promoção Cultural da Secretaria, Paulo Henrique de Almeida, via nota emitida pela assessoria de comunicação. Para a administração atual, a maior parte dos problemas foi gerada pela falta de controle anterior e também porque o contrato de manutenção de R$ 310 mil por ano não ter sido renovado pela Secretaria da Cultura.

MUVULCA BAIANA – Aninha Franco (que gentilmente assinou em 2006 o prefácio dos “Contos Perversos” citado lá no início desse texto) e Rita Assemany (uma atriz maravilhosa que participou até do filme “Abril Despedaçado” ao lado de Rodrigo Santoro), coordenadoras do Teatro XVIII, falaram no dia 26/09 num programa na rádio Metrópole FM sobre o fechamento do espaço cultural. Aninha disse ao ser questionada sobre o porquê de ela ainda está na capital baiana que escolheu ficar para brigar pela boa cultura. “Minha idoneidade não tem suspeita. Somos muito melhores como artista do que como burocratas! O XVIII é um lugar perigoso porque lá se pensa. Nós precisamos mostrar que a Bahia não é um balneário que abre no verão e fecha no inverno”, complementou. E, no meio daquele debate, também expôs a minha revolta na rádio contra o Estado e a favor do XVIII: “Essa equipe desse governo Wagner ainda espera completar 500 anos pra fazer alguma coisa relevante. A nossa cultura está sendo tratada como produto de última e esses demagogos ainda têm a coragem de dizer que isso tudo é transparente e que vão dá um banho de folha no Pelourinho. Hoje acredito que a arte está vulnerável porque se faz inativa por estar sedentária nas prateleiras que exalam somente cheiro de revistas que disseminam apenas fofocas . É por isso que a Alice (ou a Fátima***) prefere viver no País das Maravilhas. E o Lewis Carroll deve está lá se revirando no tumulo!”, disse participando do programa por e-mail.

A atriz Rita Assemany em cena do espetáculo “A Casa da Minha Alma”.

JEITO MERCENÁRIO – Após as declarações de Aninha e Rita na rádio, outras instituições e produtores também se manifestaram contra a Secretaria do novo Governo. A Fundação Casa de Jorge Amado também é uma das instituições que vem sendo prejudicada com o novo governo, interrompendo projetos e restringindo horário de funcionamento da Casa. Mas o PT e o seu governo têm um jeito mercenário de ser porque uma vez no poder concede a retaliação. A voracidade de um partido que se nutre de revanchismo, de demagogia, de ingerência e, sobretudo, de performances de um presidente marketeiro para o povo vê. Um partido de muito pouco de negociação, mas de negociatas para uma nação que está acostumada a ser tratada de maneira estúpida e zoomorfizada.

E o Sr. Márcio Meireles, um diretor artístico local frustrado e a sua direção frustrada da pasta da cultura estadual, por não fazer absolutamente nada de convincente foi nomeado com seu discurso piegas e politicamente correto para patrocinar cultura de raiz e para minorias, resgatando uma baianidade perdida (com ele) e de fachadas para esconder o que o governo não faz, aliás, faz sim, fecha um teatro no Pelourinho para um Pelourinho fechado por ingerência cheio de pedintes, de mendigos e prostitutas, já que este governo não atua onde o governo passado atuava (mesmo não sendo também nenhum pouco honesto), ou seja, vamos “dar” a Bahia para um paulistano administrar, para que ele seja articulador desta máfia encabeçada pelo presidente da república e da retórica para que a Bahia mude, como num mérito e destino de cidade fantasma, mas para pior.

DESCONCENTRAR OS INVESTIMENTOS – O trabalho entre as instituições culturais e o Estado deveria ser visto como uma parceria e não como um favor. Incomoda muito essa imagem de que os artistas precisem de esmola pra sobreviver. Não é isso. Os artistas estão dando um serviço e estão recebendo uma troca por causa desse serviço. Então a medida que for necessitando de mais recurso para que o serviço seja melhor, isso devia ser levado em conta. E não foi surpresa quando assisti alguns produtores cuspindo e exigindo respeito pelos seus anos e anos de trabalho em prol da cultura baiana, leia-se: exigindo as maiores verbas para as suas produções e não para artistas “recém saídos das fraudas”. Em suma: tudo são demagogia e interesses particulares.

Na teoria, a nova política de cultura do Estado tem como objetivo desconcentrar os investimentos em cultura para os 417 municípios do Estado. Segundo a Secretaria de Cultura, 80% destes recursos ficavam concentrados em Salvador e Região Metropolitana, quando 80% da população encontram-se no interior. Mas, no decorrer desse processo, que houvesse por parte do governo uma maior abertura para que essas coisas fossem conversadas. Enquanto o Márcio Meireles, na incompetência de fazer alguma coisa desfaz na sua dor de moral falida e de discurso, a Bahia vai bem e sitiada por UM PARTIDO QUE É INDECENTE E INCOMPETENTE E QUE SE ELEGEU COM UM MÉRITO MUITO PARTICULAR E COM UM DISCURSO POPULISTA, DEMAGOGO. E por ser  falso democrata, Lula se auto-nomeia, tal qual um Getúlio às avessas, além de deficiente, pai dos pobres.

É mais um problema para o Centro Histórico de Salvador, que vem sofrendo com a queda de movimento. Nas ruas e ladeiras do Pelourinho, um dos principais cartões postais da capital baiana, poucos turistas neste fim de semana. Bares e restaurantes quase vazios; casarões com portas fechadas e baianos envergonhados. Os lojistas registraram queda nas vendas e os visitantes que vieram de longe estranharam o pouco movimento. A situação está péssima. O Pelourinho está abandonado. Situação que segundo os comerciantes já dura muitos meses e pode ser agravada com o fechamento do Teatro XVIII. Então, o que ainda nos resta nesse latifúndio? Não tenho idéia... pois a minha capacidade de sonhar se esgotou junto com a minha possibilidade de arriscar vôos mais altos. Nossa cultura foi dizimada junto com as minhas certezas de que um dia poderia ser capaz de também fazer arte. E não me venham esses puritanos filhos da p... me acusarem de pessimismo. Talvez o preço de uma bala para estourar meus (aliás, os seus) miolos seja muito mais cara do que o valor da própria vida nesse país oligárquico de merda.


* Anna Carvalho é escritora, professora, articulista do portal Literatura Clandestina e co-autora de Elenilson Nascimento nas obras “Diálogos Inesperados Sobre Dificuldades Domadas” (2005) e “Clandestinos” (na gaveta). Contato: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

** Contos Perversos – antologia com vários autores organizada por Elenilson Nascimento, Rio de Janeiro, 2006, CBJE.

*** Fátima Mendonça é esposa do governador da Bahia, Jacques Wagner.

 

foto de Rita Assemany: Sora Maia; de Aninha Franco com Marcio Meirelles: divulgação.

publicidade
publicidade
Crochelandia
Visitantes desde fevereiro de 2006:
32921920

Blogs dos Colunistas

-
Ana
Kaye
Rio de Janeiro
-
Andrei
Bastos
Rio de Janeiro - RJ
-
Carolina
Faria
São Paulo - SP
-
Celso
Lungaretti
São Paulo - SP
-
Cristiane
Visentin

Nova Iorque - USA
-
Daniele
Rodrigues

Macaé - RJ
-
Denise
Dalmacchio
Vila Velha - ES
-
Doroty
Dimolitsas
Sena Madureira - AC
-
Eduardo
Ritter

Porto Alegre - RS
.
Elisio
Peixoto

São Caetano do Sul - SP
.
Francisco
Castro

Barueri - SP
.
Jaqueline
Serávia

Rio das Ostras - RJ
.
Jorge
Hori
São Paulo - SP
.
Jorge
Hessen
Brasília - DF
.
José
Milbs
Macaé - RJ
.
Lourdes
Limeira

João Pessoa - PB
.
Luiz Zatar
Tabajara

Niterói - RJ
.
Marcelo
Sguassabia

Campinas - SP
.
Marta
Peres

Minas Gerais
.
Miriam
Zelikowski

São Paulo - SP
.
Monica
Braga

Macaé - RJ
roney
Roney
Moraes

Cachoeiro - ES
roney
Sandra
Almeida

Cacoal - RO
roney
Soninha
Porto

Cruz Alta - RS