8 motivos para as feministas lerem a obra "Mulherzinhas"

A Via Leitura, do Grupo Editorial Edipro, reeditou a obra Mulherzinhas, de Louisa May Alcott. E, além de se atentarem aos detalhes como capa e tradução, a equipe editorial se inspirou no crescente movimento feminista que, certamente, vai se identificar com a obra.

https://jornalorebate.com.br/19-07/adoraveis-mulheres-emma-watson-3-1.jpg

E para convencê-las, – além do argumento que a leitura do livro pode prepará-las para a chegada do filme que estreia ainda esse ano, com Emma Watson e Meryl Streep – separamos uma lista de motivos para uma feminista ler essa narrativa surpreendente e empoderadora.

1 Sintam-se em casa: a representatividade embutida na obra é delicada e concisa. As mulheres podem se inspirar, se identificar e aproveitar cada minuto da leitura para encontrar formas de crescer como figura feminina.

2 Sem patriarcas: as mulheres não tinham um patriarca e precisavam viver por si mesmas; se encontravam em meio a uma guerra e fazerem de tudo para manterem-se unidas, alimentadas, saudáveis e, principalmente, vivas.

3 Caráter:a cada página são provas e mais provas de um bom comportamento psicológico, quebrando aqueles paradigmas de que a mulher é falsa e oportunista.

4 Dedicação: um exemplo da dedicação de mulheres por mulheres. O verdadeiro significado daquela coisa de ser maravilhosa uma com a outra: a sororidade. As irmãs se ajudam, se importam, se entendem e são de fato unidas.

5 Muitas personalidades:são quatro irmãs, cada uma diferente da outra, porém com a mesma empatia. A feminista de plantão poderá se identificar em uma delas ou mesmo em todas. É possível enxergar, em cada uma delas, um pouquinho do que cada mulher é.

6 O fardo: é visível o que todas as mulheres carregam na sociedade, o preconceito, a misoginia, os perigos em relação ao corpo, entre muitos outros casos. Esse estigma da mulher é muito bem retratado na obra.

7 Sem príncipe encantado: a autora mostrou as relações entre os meninos e as personagens quando elas ainda eram crianças, e colocou a interação de forma natural e sem disparidade de gênero. Ainda, na obra não existe o homem no cavalo branco que vai salvá-las. São elas por elas mesmas.

8 Ele não nos destrói: “Sem tempo, irmã”, para os homens... A lá Marília Mendonça, um homem não pode estragar um relacionamento de uma mulher com outra. E a trama tem um caso que era para ser um triângulo amoroso, mas as irmãs foram maiores que isso.

publicidade
publicidade
Crochelandia
Visitantes desde fevereiro de 2006:
32909624

Blogs dos Colunistas

-
Ana
Kaye
Rio de Janeiro
-
Andrei
Bastos
Rio de Janeiro - RJ
-
Carolina
Faria
São Paulo - SP
-
Celso
Lungaretti
São Paulo - SP
-
Cristiane
Visentin

Nova Iorque - USA
-
Daniele
Rodrigues

Macaé - RJ
-
Denise
Dalmacchio
Vila Velha - ES
-
Doroty
Dimolitsas
Sena Madureira - AC
-
Eduardo
Ritter

Porto Alegre - RS
.
Elisio
Peixoto

São Caetano do Sul - SP
.
Francisco
Castro

Barueri - SP
.
Jaqueline
Serávia

Rio das Ostras - RJ
.
Jorge
Hori
São Paulo - SP
.
Jorge
Hessen
Brasília - DF
.
José
Milbs
Macaé - RJ
.
Lourdes
Limeira

João Pessoa - PB
.
Luiz Zatar
Tabajara

Niterói - RJ
.
Marcelo
Sguassabia

Campinas - SP
.
Marta
Peres

Minas Gerais
.
Miriam
Zelikowski

São Paulo - SP
.
Monica
Braga

Macaé - RJ
roney
Roney
Moraes

Cachoeiro - ES
roney
Sandra
Almeida

Cacoal - RO
roney
Soninha
Porto

Cruz Alta - RS