Suicídio – o ato que fere e marca a família

A- A A+
publicidade

No Brasil, mais de 11 mil pessoas tiram suas próprias vidas por ano, segundo pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde em 2017. Diversos são os motivos que levam alguém a cometer suicídio, desde solidão, doenças graves, decepções amorosas, perdas financeiras, bullying, entre tantos outros. Porém, tem um aspecto que é comum a esse ato: a marca e o sofrimento dos familiares que continuam convivendo com essa tragédia. Muitas vezes compreendida, mas não aceita. E o que fica é um vazio e a dúvida: poderíamos ter feito algo para evitar?

https://jornalorebate.com.br/18-11/1529328111_109277_1529333473_noticia_normal.jpg

De modo geral o ato de tirar a própria vida tem como base psicológica a desesperança, uma crença que sua vida fracassou e não vai melhorar no futuro. Esse sentimento leva a pessoa para um processo de estagnação emocional, fazendo-a pensar em círculo, focando no problema e não na maneira de superá-lo. E, como emocionalmente sempre é possível ampliar o sofrimento, o resultado é o aumento dos pensamentos negativos, no qual servem de base para perpetuar a dor emocional até o ponto em que não viver passa a ser uma benção e uma possibilidade de resolver seus problemas.

É bastante comum, a pessoa que está cogitando suicídio, acreditar que tirar sua vida vai ser benéfico para si e para quem a rodeia. No entanto, do ponto de vista dos familiares, o suicídio acaba sendo um sofrimento passivo, já que se culpam por não terem identificado os sinais que o familiar apresentava. Essa culpa abre uma ferida que, na maioria das vezes, não fecha jamais. Passam cinco, dez, quinze anos e esse assunto não sai do seio familiar. Um ato que, por mais que se identifiquem os motivos, não é aceito e abala as relações dali para frente.
 
O melhor caminho para enfrentar o sofrimento é a compreensão do problema e a busca de soluções. Sempre que você não enxergar uma saída, procure ajuda, pois a solidão só aumentará a aflição. A visão e a experiência do outro podem ser a chave para a saída que almeja. Quanto a família que já convive com essa marca, é importante procurar ajuda para ressignificar o passado, não se culpar e buscar dar um novo significado para si. Que o sofrimento seja a base de uma construção melhor e não o aprisionamento na aflição. Se precisar de ajuda, ligue 188, o O CVV – Centro de Valorização da Vida realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, email e chat 24 horas todos os dias.

Psicólogo Flávio Melo Ribeiro
CRP12/00449

A Viver – Atividades em Psicologia desenvolveu programas psicoterapêuticos que possibilitam ser trabalhados em grupos e individual.
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. (48) 9921-8811 (48) 3223-4386
Página no Facebook: Viver – Atividades em Psicologia
Canal no Youtube: Flávio Melo Ribeiro

publicidade
publicidade
publicidade
Crochelandia
publicidade
Visitantes desde fevereiro de 2006:
30452116

Blogs dos Colunistas

-
Ana
Kaye
Rio de Janeiro
-
Andrei
Bastos
Rio de Janeiro - RJ
-
Carolina
Faria
São Paulo - SP
-
Celso
Lungaretti
São Paulo - SP
-
Cristiane
Visentin

Nova Iorque - USA
-
Daniele
Rodrigues

Macaé - RJ
-
Denise
Dalmacchio
Vila Velha - ES
-
Doroty
Dimolitsas
Sena Madureira - AC
-
Eduardo
Ritter

Porto Alegre - RS
.
Elisio
Peixoto

São Caetano do Sul - SP
.
Francisco
Castro

Barueri - SP
.
Jaqueline
Serávia

Rio das Ostras - RJ
.
Jorge
Hori
São Paulo - SP
.
Jorge
Hessen
Brasília - DF
.
José
Milbs
Macaé - RJ
.
Lourdes
Limeira

João Pessoa - PB
.
Luiz Zatar
Tabajara

Niterói - RJ
.
Marcelo
Sguassabia

Campinas - SP
.
Marta
Peres

Minas Gerais
.
Miriam
Zelikowski

São Paulo - SP
.
Monica
Braga

Macaé - RJ
roney
Roney
Moraes

Cachoeiro - ES
roney
Sandra
Almeida

Cacoal - RO
roney
Soninha
Porto

Cruz Alta - RS