O criminoso bloqueio americano a Cuba

A- A A+
publicidade

Além de Israel, só dois países no mundo apoiam o embargo criminoso dos EUA à Cuba

Segundo relatório anual da ONU, o bloqueio econômico dos EUA causou, desde o seu início até 2005, um prejuízo superior a 89 bilhões de dólares a Cuba

cuba1

O que é o bloqueio ou embargo dos Estados Unidos a Cuba?

É um embargo econômico, comercial e financeiro imposto a Cuba pelos Estados Unidos que se iniciou em 7 de fevereiro de 1962 (completou, em 2012, incríveis 50 anos). Foi convertido em lei nos EUA em 1992 e em 1995.

bloqueio cuba euaO bloqueio é sistematicamente condenado pela Assembleia Geral das Nações Unidas. Já são 17 condenações seguidas.

Em 1999, o presidente Bill Clinton ampliou este embargo comercial proibindo que filiais estrangeiras de companhias americanas de comercializar com Cuba valores superiores a 700 milhões de dólares por ano.

Em junho de 2004, George Bush anunciou as medidas do relatório da “Comissão de Ajuda para uma Cuba Livre”, objetivando uma “mudança de regime”. São ações que recrudescem ainda mais o bloqueio, agravando as ações contra o turismo e os investimentos em Cuba, restringindo os fluxos financeiros e limitando as remessas familiares.

  • É proibido a empresas de terceiros países a exportação para os Estados Unidos de qualquer produto que contenha alguma matéria-prima cubana Por exemplo, a França não pode exportar para os Estados Unidos uma geleia que contenha açúcar cubano.

 

  • É proibido a empresas de terceiros países que vendam a Cuba bens ou serviços nos quais seja utilizada tecnologia americana ou que precisem, na sua fabricação, de produtos dessa procedência que excedam 10% do seu valor, ainda quando os seus proprietários sejam nacionais de terceiros países.

 

  • É proibido a bancos de terceiros países abrirem contas em dólares norte-americanos para pessoas físicas ou jurídicas cubanas ou que realizem qualquer transação financeira nessa moeda com entidades ou pessoas cubanas. Neste caso serão confiscadas. Isso bloqueia totalmente Cuba de utilizar o dólar em suas transações de comércio exterior.

 

  • É proibido aos empresários de terceiros países levar a cabo investimentos ou negócios em Cuba, sob o pressuposto de que essas operações estejam relacionadas com prioridades sujeitas a reclamação por parte dos Estados Unidos da América. Os empresários que não se submeterem a essa proibição serão alvo de sanções e represálias como o cancelamento, ou não renovação, de seus vistos de viagem aos Estados Unidos.

Tudo isso por quê? Simplesmente porque os Estados Unidos não admitem que Cuba seja socialista. Embora negociem com outros países socialistas, como a China (e recentemente até com a República Socialista do Vietnã, que os derrotou na famosa Guerra do Vietnã). Com Cuba é diferente.

O gigante do Norte não admite que os cubanos vivam sob o regime que escolheram viver, graças principalmente ao “lobby de Cuba”, formado por exilados cubanos, liderados pelo Comitê de Ação Política Democrática Cuba-Estados Unidos.

Ato de guerra e genocídio

Em 1909 (portanto, há 109 anos), na Conferência Naval de Londres, ficou definido como princípio do Direito Internacional que o “bloqueio é um ato de guerra” e nessa base, o seu emprego é possível unicamente entre estados beligerantes.

Por esse motivo, o bloqueio contra Cuba é considerado um ato de guerra. Um ato de guerra econômico. Assim como o Direito Internacional classifica o bloqueio como genocídio, pois não há qualquer norma internacional que o justifique em tempos de paz.

Até o papa João Paulo II condenou publicamente o bloqueio durante suas visitas pastorais à ilha em 1979 e 1998.

Por isso, a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) já votou 17 vezes contra o bloqueio, mas o fim do bloqueio não foi aprovado graças ao direito de veto dos Estados Unidos e a votos de seus satélites, sendo Israel o maior deles. Para continuar ocupando a Palestina e dizimando seu povo, Israel faz tudo o que os EUA mandam, desde que não faltem armas nem dinheiro para o extermínio do povo palestino.

Em 2005, a resolução também não foi aprovada graças aos votos de Palau e Ilhas Marshall.

Quem são Palau e Ilhas Marshall?

Dois pequenos países da Micronésia. Ambos “Estados Livremente Associados” aos Estados Unidos da América… (não é ironia…).

Portanto, toda a comunidade de países condena o bloqueio que penaliza o povo cubano, uma nação livre.

No entanto, quando fala de Cuba, a mídia corporativa brasileira (também um “Estado Livremente Associado” aos EUA?) só se refere a uma suposta ditadura, em vez de defender o fim do embargo.

Esse criminoso bloqueio é também uma das causas que justificam a saída de cubanos de seu país.

publicidade
publicidade
publicidade
Crochelandia
publicidade
publicidade
Visitantes desde fevereiro de 2006:
29915755

Blogs dos Colunistas

-
Ana
Kaye
Rio de Janeiro
-
Andrei
Bastos
Rio de Janeiro - RJ
-
Carolina
Faria
São Paulo - SP
-
Celso
Lungaretti
São Paulo - SP
-
Cristiane
Visentin

Nova Iorque - USA
-
Daniele
Rodrigues

Macaé - RJ
-
Denise
Dalmacchio
Vila Velha - ES
-
Doroty
Dimolitsas
Sena Madureira - AC
-
Eduardo
Ritter

Porto Alegre - RS
.
Elisio
Peixoto

São Caetano do Sul - SP
.
Francisco
Castro

Barueri - SP
.
Jaqueline
Serávia

Rio das Ostras - RJ
.
Jorge
Hori
São Paulo - SP
.
Jorge
Hessen
Brasília - DF
.
José
Milbs
Macaé - RJ
.
Lourdes
Limeira

João Pessoa - PB
.
Luiz Zatar
Tabajara

Niterói - RJ
.
Marcelo
Sguassabia

Campinas - SP
.
Marta
Peres

Minas Gerais
.
Miriam
Zelikowski

São Paulo - SP
.
Monica
Braga

Macaé - RJ
roney
Roney
Moraes

Cachoeiro - ES
roney
Sandra
Almeida

Cacoal - RO
roney
Soninha
Porto

Cruz Alta - RS