UM PERIGO CHAMADO VEJA

No final de 1969, numa matéria-de-capa histórica, a Veja se posicionou contra o assassinato, sob tortura, do militante da VAR-Palmares Chael Charles Schreier. Como ilustração, uma gravura medieval mostrando os suplícios do tempo da Inquisição: a donzela-de-ferro, a roda, os ferros em brasa, etc. Marcou época.

Hoje, infelizmente, a Veja se entrega à mais rasteira demagogia, como na matéria "Um Perigo chamado MR-8", publicada na edição de 09/05/2007. A revista cometeu graves pecados jornalísticos em sua reação ao texto infeliz do jornal A Hora do Povo, que a um observador isento sugere menos uma uma exortação ao assassinato de Diogo Mainardi do que um gracejo malfeito: "...o pequeno canalha perdeu apenas algum dinheiro [ao ser condenado por caluniar Franklin Martins]. Sabemos o que o vil metal significa para certo tipo de pessoas. Ainda assim, ao que tudo indica, ele está pedindo para perder algo mais. Pode ficar tranqüilo. Não faltarão almas pias para fazer a sua vontade".

Logo no subtítulo, a Veja qualificou o MR-8 de "terrorista na ditadura", endossando um termo tendenciosamente aplicado pelos especialistas em guerra psicológica das Forças Armadas aos efetivos da resistência contra a ditadura que travaram a luta armada. Ou seja, a Veja encampou a propaganda enganosa da linha-dura militar de outrora e dos néo-integralistas atuais. Ficou na honrosa companhia de Brilhante Ustra...

Independentemente de que, hoje, só a extrema-direita insiste nessa terminologia falaciosa, há o fato de que o MR-8 foi aniquilado pela repressão em 1969 e nada tem a ver com os atuais detentores da sigla.

O MR-8 original ficou conhecido principalmente por ter em seus quadros o bancário Jorge Medeiros Valle (apelidado de "o bom burguês"), que desviou cerca de US$ 2 milhões para a guerrilha; e por haver planejado libertar presos políticos de uma ilha-presídio com um esquema mirabolante, que incluía mergulhadores.

Depois que seus integrantes foram presos, a repressão se vangloriou, pela imprensa, de ter acabado com o MR-8. Em represália, a Dissidência Universitária da Guanabara, ao participar junto com a ALN do sequestro do embaixador norte-americano Charles Burke Elbrick, co-assinou o manifesto como MR-8.

O inusitado desse episódio fez com que ele ficasse na lembrança das pessoas... e, principalmente, dos jornalistas, claro. Então, a Veja não tem como ignorar que inexiste relação de continuidade entre o MR-8 original e o que hoje ela exageradamente acusa de ameaçar a vida de Mainardi.

Além do subtítulo indefensável, a Veja continuou ecoando a retórica das viúvas da ditadura no texto, ao afirmar que "o MR-8 e a ALN foram duas das organizações esquerdistas que, sob a bandeira da luta contra o regime militar, promoveram seqüestros, roubos a banco e atos de intimidação".

Em carta à redação da Veja, aprofundei essa questão, como ex-preso político que sou. Já houve tempo em que a ditadura afixava cartazes em logradouros públicos do País inteiro, com minha foto e meu nome, acusando-me falsamente de terrorista e assassino. É absolutamente inaceitável que continuemos a ser tratados dessa maneira em plena democracia. Então, espero que a revista tenha a decência de publicar esse desagravo, a mim e a todos os companheiros insultados por sua matéria:

"O regime militar foi fruto da usurpação do poder por um grupo direitista que vinha conspirando contra a democracia desde os anos JK e já fizera várias tentativas golpistas (a principal delas quando quase impediu a posse de João Goulart). Ao conseguir êxito em 1964, rasgou a Constituição e governou sob terrorismo de estado. Então, os heróis e mártires que ousaram enfrentar o arbítrio, em situação de terrível desigualdade de forças, nada mais fizeram do que exercer o direito de resistência à tirania, que nos foi legado pela civilização grega, tanto quanto a democracia.

"Os verdadeiros terroristas eram aqueles niilistas do século XIX que, incapazes de conduzir o povo à revolução, tentavam, com balas e bombas, criar o caos e impedir que a classe dominante governasse. Os movimentos de resistência ao nazi-fascismo e às ditaduras militares latino-americanos jamais quiseram criar o caos, mas sim conscientizar as massas e organizá-las para a derrubada dos tiranos.

"Os seqûestros de diplomatas serviram para salvar presos políticos da morte e das torturas mais atrozes. As expropriações de bancos, para sustentar militantes clandestinos nas condições de rigorosa clandestinidade. E nenhum ato de intimidação porventura cometido pelos idealistas (sempre há excessos em conflitos desse tipo) equivale à prática sistemática da tortura por parte dos militares, atingindo dezenas de milhares de brasileiros, ou à política de extermínio por eles adotada a partir de 1971, quando passaram a levar os resistentes aprisionados diretamente para centros clandestinos de tortura, nos quais os massacravam e depois executavam, dando sumiço até em seus restos mortais."

* Jornalista, escritor e ex-preso político, Celso Lungaretti é autor de "Náufrago da Utopia"

publicidade
publicidade
Crochelandia
Visitantes desde fevereiro de 2006:
33771644

Blogs dos Colunistas

-
Ana
Kaye
Rio de Janeiro
-
Andrei
Bastos
Rio de Janeiro - RJ
-
Carolina
Faria
São Paulo - SP
-
Celso
Lungaretti
São Paulo - SP
-
Cristiane
Visentin

Nova Iorque - USA
-
Daniele
Rodrigues

Macaé - RJ
-
Denise
Dalmacchio
Vila Velha - ES
-
Doroty
Dimolitsas
Sena Madureira - AC
-
Eduardo
Ritter

Porto Alegre - RS
.
Elisio
Peixoto

São Caetano do Sul - SP
.
Francisco
Castro

Barueri - SP
.
Jaqueline
Serávia

Rio das Ostras - RJ
.
Jorge
Hori
São Paulo - SP
.
Jorge
Hessen
Brasília - DF
.
José
Milbs
Macaé - RJ
.
Lourdes
Limeira

João Pessoa - PB
.
Luiz Zatar
Tabajara

Niterói - RJ
.
Marcelo
Sguassabia

Campinas - SP
.
Marta
Peres

Minas Gerais
.
Miriam
Zelikowski

São Paulo - SP
.
Monica
Braga

Macaé - RJ
roney
Roney
Moraes

Cachoeiro - ES
roney
Sandra
Almeida

Cacoal - RO
roney
Soninha
Porto

Cruz Alta - RS