Petrobras faz parceria com Fundação Banco do Brasil em prêmio de Tecnologia Social

Empresas públicas, governos, escolas, institutos e organizações não governamentais podem enviar soluções sociais até o dia 15 de junho

A edição 2007 do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social vai premiar com R$ 400 mil tecnologias sociais que resolvam questões relativas à água, alimentação, educação, energia, habitação, meio ambiente, renda e saúde. As inscrições para o Prêmio, que podem ser realizadas até 15 de junho, estão abertas às empresas públicas, governos municipais e estaduais, instituições de educação, institutos e organizações não governamentais (ONGs).

A quarta edição do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social é realizada em parceria com a Petrobras, com apoio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), e a KPMG Auditores Independentes.

A premiação foi criada para identificar e difundir tecnologias sociais. O conceito compreende produtos, técnicas ou metodologias reaplicáveis, desenvolvidas na interação com a comunidade, que representem soluções efetivas de transformação social. Somente serão certificadas e concorrerão às premiações, tecnologias sociais já implementadas, com resultados comprovados e sem fins comerciais.

Etapas – A edição de 2007 do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social concederá oito premiações, das quais cinco para a categoria “Região” – um para cada região geográfica do país –, um para a categoria “Aproveitamento/tratamento de rejeitos/resíduos/efluentes de processos produtivos”, um para a categoria “Direitos da Criança e Adolescente” e um para a categoria “Gestão de Recursos Hídricos”.

O Prêmio é dividido em três etapas. Todas as inscrições participam da primeira, a certificação. As certificadas, além de concorrer à etapa seguinte, de seleção, integram o Banco de Tecnologias Sociais e recebem o Certificado de Tecnologia Social conferido pela Fundação Banco do Brasil, Unesco e Petrobras.

Na etapa de seleção, após análises de mérito, efetividade e resultado, as três tecnologias com maior pontuação, por categoria, vão ao julgamento final e recebem o troféu “Finalista do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social – edição 2007”.

As tecnologias finalistas selecionadas na etapa anterior serão analisadas segundo novos critérios: inovação, exemplaridade , transformação social e potencial de reaplicabilidade. A que obtiver a maior pontuação média, em cada categoria, será declarada vencedora. As oito instituições responsáveis pelas tecnologias sociais vencedoras vão receber R$ 50 mil, cada, para utilizar em atividades de expansão, aperfeiçoamento ou reaplicação da tecnologia social vencedora.

Banco de idéias – As tecnologias sociais, após certificadas, passam a integrar o Banco de Tecnologias Sociais (BTS) da Fundação Banco do Brasil, uma base de dados on-line disponível na internet no endereço www.fundacaobancodobrasil.org.br . O BTS, principal instrumento utilizado pela Fundação BB para disseminar e fomentar a reaplicação de tecnologias sociais, organiza as informações das tecnologias e das instituições que as desenvolveram.

Exemplos de tecnologias sociais são o manejo comunitário de camarão de água doce e as cisternas de placas.

Na região norte do país, o Programa de Manejo Comunitário de Camarão de Água Doce substitui a pesca predatória por técnicas que permitem o exercício dessa atividade de forma sustentável. Pescadores ligados à Associação dos Trabalhadores Agroextrativistas da Ilha das Cinzas criaram uma armadilha em forma cilíndrica, de fibras vegetais e confeccionada pela própria comunidade, com espaço para a saída dos camarões pequenos, que, na pesca predatória, são mortos e não aproveitados. Com parceria da Fundação BB e da Petrobras, a tecnologia está sendo reaplicada em sete comunidades, em dois municípios, Gurupá e Breves, na Ilha do Marajó, Pará, envolvendo 155 famílias.

Para aliviar o problema da água do semi-árido brasileiro, o Programa 1 Milhão de Cisternas foi criado pela Articulação no Semi-Árido Brasileiro (ASA), em 1999. Com capacidade para 16 mil litros, cada uma das cisternas abastece uma família de cinco pessoas por até oito meses, melhorando a qualidade de vida nas comunidades. Representa a independência dos carros-pipa, o fim das caminhadas em busca de água, a diminuição de doenças e a geração de emprego e renda. A tecnologia de Cisterna de Placas Pré-Moldadas foi finalista do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social na edição de 2001.

Transformação social – Outra tecnologia social, a barraginha, recupera solos degradados pelas enxurradas, revitalizando mananciais, rios e córregos. Consiste na construção de barraginhas contentoras de enxurradas. Mais de 6 mil unidades dessas unidades estão sendo reaplicadas pela Fundação BB, em diversos municípios de Minas Gerais e no Piauí, em parcerias com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Milho e Sorgo/MG) e instituições locais.

A experiência de saneamento básico rural substitui as fossas negras das propriedades do campo – responsáveis pela disseminação de doenças causadas por coliformes fecais – por fossas sépticas biodigestoras, que tratam o dejeto humano. O projeto é composto por três caixas d´água de mil litros cada, conectadas por conexões de PVC e ligadas ao encanamento do vaso sanitário. A Fundação BB está reaplicando a tecnologia na região do entorno do Distrito Federal junto a 1.038 famílias, em assentamentos da reforma agrária, em parceria com a Embrapa de São Carlos (SP).

Outros exemplos de tecnologias sociais integrantes do BTS são a redução do impacto ambiental e geração de renda através do uso de dessalinização, que reaproveita o rejeito de dessalinizadores no semi-árido brasileiro na criação de tilápias e na cultura da erva-sal, e o Banco Palmas, projeto que está sendo reaplicado pela Petrobras em dois municípios do Ceará, combatendo a pobreza e o desemprego, a partir de uma rede de economia solidária na comunidade, inclusive com a criação de uma moeda social e um cartão de crédito. O Café com Floresta, que cria suficiência alimentar e biodiversidade ecológica em assentamentos da reforma agrária no Pontal do Paranapanema, e os tatames especiais para pessoas portadoras de deficiências Múltiplas, destinados a reduzir as dificuldades em lidar com pacientes que usam cadeira de rodas, são outros exemplos de tecnologias sociais certificadas pelo Prêmio.

publicidade
publicidade
Crochelandia
Visitantes desde fevereiro de 2006:
33771635

Blogs dos Colunistas

-
Ana
Kaye
Rio de Janeiro
-
Andrei
Bastos
Rio de Janeiro - RJ
-
Carolina
Faria
São Paulo - SP
-
Celso
Lungaretti
São Paulo - SP
-
Cristiane
Visentin

Nova Iorque - USA
-
Daniele
Rodrigues

Macaé - RJ
-
Denise
Dalmacchio
Vila Velha - ES
-
Doroty
Dimolitsas
Sena Madureira - AC
-
Eduardo
Ritter

Porto Alegre - RS
.
Elisio
Peixoto

São Caetano do Sul - SP
.
Francisco
Castro

Barueri - SP
.
Jaqueline
Serávia

Rio das Ostras - RJ
.
Jorge
Hori
São Paulo - SP
.
Jorge
Hessen
Brasília - DF
.
José
Milbs
Macaé - RJ
.
Lourdes
Limeira

João Pessoa - PB
.
Luiz Zatar
Tabajara

Niterói - RJ
.
Marcelo
Sguassabia

Campinas - SP
.
Marta
Peres

Minas Gerais
.
Miriam
Zelikowski

São Paulo - SP
.
Monica
Braga

Macaé - RJ
roney
Roney
Moraes

Cachoeiro - ES
roney
Sandra
Almeida

Cacoal - RO
roney
Soninha
Porto

Cruz Alta - RS