Cinco qualidades para ver a arte

O poeta português Fernando Pessoa, na “Nota Preliminar” de seu célebre livro “Mensagem”, aponta que “o entendimento dos símbolos e dos rituais (simbólicos) exige do intérprete que possua cinco qualidades ou condições, sem as quais os símbolos serão para ele mortos, e ele um morto para eles.”

A prática do exercício de interpretação do conhecimento, nesse sentido, é muito salutar. Cada obra, com uma poética a ser desenvolvida, estabelece para o observador um mergulho em um universo visual distinto.

A primeira qualidade que Pessoa aponta naquele que se propõe a se aventurar na leitura de um trabalho artístico é a simpatia. Ele a considera a mais simples e consiste no observador “sentir simpatia pelo símbolo que se propõe interpretar”. Para cada criador, porém,  isso funciona de uma forma, o que torna o desafio de fruição por parte do público um deleite repleto de peculiaridades.

Pessoa aponta como segunda qualidade a intuição, que define como “aquela espécie de entendimento com que se sente o que está além do símbolo, sem que se veja”. Trata-se de uma caminhada no universo da sensibilidade e do lirismo.

A terceira qualidade é a inteligência. Ela “analisa, decompõe, reconstrói noutro nível o símbolo”. Cria-se aqui um desafio maior, pois esta habilidade decorre das duas primeiras, no sentido de compreender a inteligência como uma leitura do mundo.

Compreensão é a quarta qualidade considerada por Pessoa. Definida como “o conhecimento de outras matérias, que permitam que o símbolo seja iluminado por várias luzes, relacionado com vários outros símbolos, pois que, no fundo, é tudo o mesmo”. Não se trata da procura de uma síntese ou da soma do fazer de um artista, mas do entendimento de como a  mente de cada um deles funciona na articulação de significados.

A quinta qualidade pessoa na é, segundo ele mesmo, “a menos definível”. Chama-a de “graça”, “mão do Superior Incógnito” ou “Conhecimento e a Conversação do Santo Anjo da Guarda”. Ele não a explica, mas se faz entender. Indica que se trata daquele aquele algo a mais que exige as qualidades anteriores e parece separar o artista do artesão e o criador de imagens do mero reprodutor de conceitos.

Assim, simpatia, intuição, inteligência, compreensão e graça constituem dados essenciais para a interpretação da arte e do mundo, desafios que necessitam ser enfrentados com emoção, racionalidade e  criatividade, sem dogmatismos ou preconceitos, com a mente e o coração abertos para inúmeras possibilidades.


Oscar D’Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

publicidade
publicidade
Crochelandia
Visitantes desde fevereiro de 2006:
33482290

Blogs dos Colunistas

-
Ana
Kaye
Rio de Janeiro
-
Andrei
Bastos
Rio de Janeiro - RJ
-
Carolina
Faria
São Paulo - SP
-
Celso
Lungaretti
São Paulo - SP
-
Cristiane
Visentin

Nova Iorque - USA
-
Daniele
Rodrigues

Macaé - RJ
-
Denise
Dalmacchio
Vila Velha - ES
-
Doroty
Dimolitsas
Sena Madureira - AC
-
Eduardo
Ritter

Porto Alegre - RS
.
Elisio
Peixoto

São Caetano do Sul - SP
.
Francisco
Castro

Barueri - SP
.
Jaqueline
Serávia

Rio das Ostras - RJ
.
Jorge
Hori
São Paulo - SP
.
Jorge
Hessen
Brasília - DF
.
José
Milbs
Macaé - RJ
.
Lourdes
Limeira

João Pessoa - PB
.
Luiz Zatar
Tabajara

Niterói - RJ
.
Marcelo
Sguassabia

Campinas - SP
.
Marta
Peres

Minas Gerais
.
Miriam
Zelikowski

São Paulo - SP
.
Monica
Braga

Macaé - RJ
roney
Roney
Moraes

Cachoeiro - ES
roney
Sandra
Almeida

Cacoal - RO
roney
Soninha
Porto

Cruz Alta - RS