Não faça Julgamento Precipitado!

Todos nós, em algum momento, fomos juízes: de fato, de direito ou de futebol. Fomos ou somos juízes dos outros, nunca de nós mesmos. É difícil refletirmos para julgar nossas próprias ações. Na verdade, ninguém gosta de ser julgado, mas a todo instante estamos julgando nosso semelhante, nas suas atitudes, nos seus gestos, na sua postura, nos seus pronunciamentos, no seu silêncio, enfim, julgamos o tempo todo e por todos os motivos, até por falta de assunto. Entre os vários julgamentos, devemos ter muito cuidado com um tipo em particular: o julgamento precipitado, aquele que fazemos sem o conhecimento dos fatos causando depois arrependimento, constrangimentos e transtornos ás vezes irreversíveis. Para se entender com precisão como seria complicado julgarmos ao nosso próximo sem conhecimento de causa, observemos com muita atenção a seguinte ilustração: “Havia numa aldeia um velho muito pobre que possuía um lindo cavalo branco. Numa manhã, ele descobriu que o cavalo não estava na cocheira. Os amigos disseram ao velho: Mas que desgraça, seu cavalo foi roubado! E o velho respondeu: Calma, não cheguem a tanto. Simplesmente digam que o cavalo não está mais na cocheira. – O resto é julgamento de vocês. As pessoas riram do velho. Quinze dias após, de repente, o cavalo voltou. Ele havia fugido para a floresta. E trouxera uma dúzia de cavalos selvagens consigo. Novamente, as pessoas se reuniram e disseram: Velho, você tinha razão. Não era mesmo uma desgraça, e sim uma benção. E o velho disse: Vocês estão se precipitando de novo. Quem pode dizer se é uma benção ou não? Apenas digam que o cavalo está de volta. O velho tinha um único filho que começou a treinar os cavalos selvagens. Apenas uma semana mais tarde, ele caiu de um dos cavalos e fraturou as pernas. As pessoas se reuniram e, mais uma vez, se puseram a julgar: E não é que tinha razão, velho? Foi uma desgraça seu único filho perder o uso das duas pernas. E o velho disse: Mas vocês estão obcecados por julgamentos, hein? Não adiantem tanto. Digam apenas que meu filho fraturou as pernas. Ninguém sabe ainda se isso é uma desgraça ou uma benção... Aconteceu que, depois de algumas semanas, o país entrou em guerra e todos os jovens da aldeia foram obrigados a se alistar, menos o filho do velho. E os que foram para a guerra, morreram...” Quem é obcecado por julgar, cai sempre na armadilha de basear seu julgamento em pequenos fragmentos de informação, o que levara a conclusões precipitadas. Cristo nos exorta a não julgar o nosso próximo de modo precipitado, observe: “Não julguem apenas, pela a aparência, mas, façam julgamentos justos” João 7: 24 (Tradução Versão Internacional) Contudo, esta exortação inspirada nos deixa uma alerta, no sentido de não sermos precipitados em julgar os outros por coisinhas ou fragmentos de informação, como vimos na história do cavalo. Devemos deixar o mau hábito de julgar segundo a aparência, e sim pela a reta justiça. Quem tem a tendência de apontar os erros de outrem, como diz o provérbio popular sempre se esquece dos seus. Outrossim, seria ótimo antes de apontar o dedo para o nosso irmão, lembrarmos que há três dedos de nossa própria mão apontando para nós mesmos, e, sobretudo, pense que Jeová está nos olhando do seu trono celestial...   
“Quem tem telhado de vidro, cuidado para que não atire pedras ao do vizinho”, diz o provérbio popular. Cristo, o Filho do Deus Vivente, pôde ler o pensamento das pessoas, e observar o fingimento dos líderes religiosos, os (fariseus), e atacou-os sem rodeios. Já nós, seres humanos, embora não tenhamos a capacidade de julgarmos as coisas assim como Cristo julgou, não somos proibidos de formar uma opinião acerca do caráter ou a conduta de outros, o que é sempre um direito, onde e quando temos meios de julgar, e comumente um dever, contanto que o façamos sem parcialidade, sempre com a consciência imbuída no senso de responsabilidade, de honradez e retidão.
Reportando-nos a ilustração do cavalo, podemos assim dizer, que as páginas da vida são cheias de surpresas... Há capítulos de alegria, mas também de tristeza, há mistérios e fantasias, sofrimentos e decepções... Por isso não rasgue páginas e nem pule capítulos. Nunca encerre uma questão a primeira vista, ou de forma definitiva. Não se apresse em julgar as coisas apenas por fragmentos de informações. Antes de julgar a alguém, observe a motivação da pessoa, ao invés de apontar o seu aparente erro. Ou poderá se perguntar: “porque fulano agiu ou continua agindo daquela maneira?” Nada, pode-se deixar de considerar antes de falar algo contra alguém, porque julgar os outros apenas por fragmentos de informação pode ser muito perigoso.
E se sofreres injustamente, não se preocupe, porque no tempo devido, Jeová, o nosso justo Juiz, corrigirá toda sorte de injustiças. Portanto, ao passo que se aproxima o fim deste perverso sistema de coisas, as injustiças tendem a aflorar, porque a profecia inspirada proclama, que nestes últimos dias, as pessoas demonstrariam qualidades indesejáveis, tais, como: amantes de si mesmos, soberbos, amantes do dinheiro, pretensiosos, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, desleais, sem afeição natural, não dispostos a acordos, caluniadores, sem autodomínio, ferozes, mais amantes de prazeres do que de Deus. Contudo, o relato conclui, que teriam uma forma de devoção piedosa, mas se mostrariam falsos para com o seu poder, ou seja, estas pessoas até que eram reconhecidas por praticarem uma religião, mas a mensagem que pregavam não condizia com as suas práticas e ações. E não é isto que observamos diariamente? 2 Tim. 3: 1 – 5
Vivendo cercado por pessoas com tantas características ruins, não pense que estaria imunizado de sofrer injustiças. Portanto, se tivermos a tendência de apontar o dedo para o nosso irmão, ou o hábito de julgar os outros sem causa, busque corrigir o problema, por fazer um estudo bíblico sério e regular visando corrigir o erro, Se agirmos assim, adquiriremos conhecimento exato, e por sua vez, a nova personalidade, para que não julguemos ao nosso próximo de modo precitado, e com certeza, alcançaremos um dos maiores privilégios, sobreviver ao fim deste mundo injusto e opressor, para vivermos em felicidade no paraíso terrestre que se aproxima. Revelação/Apoc 21: 3-5


Sebastião Ramos, funcionário público federal - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

publicidade
publicidade
Crochelandia
Visitantes desde fevereiro de 2006:
31321382

Blogs dos Colunistas

-
Ana
Kaye
Rio de Janeiro
-
Andrei
Bastos
Rio de Janeiro - RJ
-
Carolina
Faria
São Paulo - SP
-
Celso
Lungaretti
São Paulo - SP
-
Cristiane
Visentin

Nova Iorque - USA
-
Daniele
Rodrigues

Macaé - RJ
-
Denise
Dalmacchio
Vila Velha - ES
-
Doroty
Dimolitsas
Sena Madureira - AC
-
Eduardo
Ritter

Porto Alegre - RS
.
Elisio
Peixoto

São Caetano do Sul - SP
.
Francisco
Castro

Barueri - SP
.
Jaqueline
Serávia

Rio das Ostras - RJ
.
Jorge
Hori
São Paulo - SP
.
Jorge
Hessen
Brasília - DF
.
José
Milbs
Macaé - RJ
.
Lourdes
Limeira

João Pessoa - PB
.
Luiz Zatar
Tabajara

Niterói - RJ
.
Marcelo
Sguassabia

Campinas - SP
.
Marta
Peres

Minas Gerais
.
Miriam
Zelikowski

São Paulo - SP
.
Monica
Braga

Macaé - RJ
roney
Roney
Moraes

Cachoeiro - ES
roney
Sandra
Almeida

Cacoal - RO
roney
Soninha
Porto

Cruz Alta - RS