Empregabilidade em alta: Brasil precisará de mais de 7 milhões de profissionais para suprir a demanda do mercado

A- A A+
publicidade

Segundo pesquisa da confederação nacional das indústrias (CNI), nos próximos anos técnicos de nível médio e superior terão maiores chances de atuação como profissionais.
Atualmente muito se fala sobre uma boa formação profissional, a dificuldade em preencher vagas disponíveis por empresas em funções que exijam boa qualificação dos funcionários estão maiores. No entanto, existem diversos tipos de cursos que capacitam para a atuação no mercado de trabalho. Cabe a cada um descobrir qual o melhor caminho a seguir.

O ensino técnico é destinado para quem já cursou ou não o ensino médio e quer aprender uma profissão. Em muitas escolas, hoje ele é oferecido como integração nos dois últimos anos, proporcionando ao aluno uma visão ampla da área escolhida para um melhor rendimento no nível superior. É o que afirma a professora Rogéria de Almeida, que também é coordenadora técnica da diretoria de educação básica e técnica Faetec (Fundação de apoio a escola técnica). ”Hoje não é interessante que um jovem passe anos em uma escola e saia apenas com o ensino médio, é muito mais importante que ele saia com uma profissão. O curso técnico poderá ajudar na melhor compreensão e absorção dos conteúdos do nível superior. Sem contar, que ele terá uma experiência real na função que irá trabalhar, pois os cursos técnicos agregam toda uma parte prática em laboratórios, visitas técnicas e estágio.” Afirma.

Segundo pesquisa feita pela Firjan (Federação das indústrias do Rio de Janeiro), entre as 10 profissões no ambiente industrial com maiores perspectivas, 5 delas estão relacionadas à cursos técnicos. Dentre eles, foram ressaltados os cursos de Petroquímica, Manipulação Farmacêutica, Refino de Petróleo e Gás entre outros. De acordo com o secretário de educação profissional e tecnológica do ministério da educação, Eliezer Pacheco, esses resultados mostram que os cursos técnicos ainda são ótimos caminhos para levar ao mercado de trabalho.

Agora para quem busca um ensino tecnológico, a regra básica é possuir ensino médio completo. Sua diferença em relação ao ensino superior é o menor tempo de duração e o fato de formar os estudantes em áreas onde não há outras graduações, como: Automação industrial, Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança do Trabalho, Gestão de Recursos Humanos entre outros. Entretanto, como no ensino superior o diploma também pode ser aceito em concursos públicos.

Um estudo realizado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), mostrou que um profissional com graduação de tecnólogo chega a ganhar 23,3% mais do que aquele que não possui a graduação, e as chances de conseguir uma oportunidade na área escolhida são bem maiores.

O Analista de T.I. (Tecnologia da Informação) da Simetria José Marcos Tavares, se formou na Graduação Tecnológica e através desse curso garantiu sua vaga no mercado de trabalho.

“Logo após o curso comecei a trabalhar como analista de sistemas na Web e hoje em dia como TI, desenvolvendo softwares para computadores, análise de banco de dados, segurança para sistemas e servidores. Através dele, diversas portas de emprego foram abertas e hoje me considero um profissional capacitado a realizar as atividades na empresa em que trabalho.” Afirmou.

Já o curso superior, aquele em que forma o aluno para ser um profissional de terceiro grau na área escolhida, pode ser classificado como: bacharelado, no qual é permitido trabalhar em diversas formas no mercado como um especialista na área estudada, ou licenciatura, para quem deseja lecionar. O curso possui um maior tempo de duração podendo chegar até 6 anos e muitas empresas só contratam seus funcionários a partir dessa formação.  Como é o caso de Michele Correa, que é graduada em direito e hoje trabalha como Analista Comercial na Simetria, uma empresa de Rh com grande reconhecimento no mercado.

Optei pelo Direito Administrativo e Tributário, e cai em uma empresa que precisava de alguém formado para trabalhar com licitação pública. A paixão pela licitação e a ligação com o direito, se cruzaram e eu me apaixonei. O terceiro grau no meu caso ajudou muito, pois hoje trabalho em uma boa empresa graças a minha formação” Explica ela.

Uma pesquisa realizada pelo Censo da Educação Superior informou que ocorreu um aumento de 308 mil matrículas nas universidades do Rio de Janeiro em relação a 2012. Esses dados mostram uma maior procura dos estudantes por uma boa formação profissional.

publicidade
publicidade
publicidade
Crochelandia
publicidade
publicidade
Visitantes desde fevereiro de 2006:
30010241

Blogs dos Colunistas

-
Ana
Kaye
Rio de Janeiro
-
Andrei
Bastos
Rio de Janeiro - RJ
-
Carolina
Faria
São Paulo - SP
-
Celso
Lungaretti
São Paulo - SP
-
Cristiane
Visentin

Nova Iorque - USA
-
Daniele
Rodrigues

Macaé - RJ
-
Denise
Dalmacchio
Vila Velha - ES
-
Doroty
Dimolitsas
Sena Madureira - AC
-
Eduardo
Ritter

Porto Alegre - RS
.
Elisio
Peixoto

São Caetano do Sul - SP
.
Francisco
Castro

Barueri - SP
.
Jaqueline
Serávia

Rio das Ostras - RJ
.
Jorge
Hori
São Paulo - SP
.
Jorge
Hessen
Brasília - DF
.
José
Milbs
Macaé - RJ
.
Lourdes
Limeira

João Pessoa - PB
.
Luiz Zatar
Tabajara

Niterói - RJ
.
Marcelo
Sguassabia

Campinas - SP
.
Marta
Peres

Minas Gerais
.
Miriam
Zelikowski

São Paulo - SP
.
Monica
Braga

Macaé - RJ
roney
Roney
Moraes

Cachoeiro - ES
roney
Sandra
Almeida

Cacoal - RO
roney
Soninha
Porto

Cruz Alta - RS