Petrobras faz parceria com Fundação Banco do Brasil em prêmio de Tecnologia Social

A- A A+
publicidade
Empresas públicas, governos, escolas, institutos e organizações não governamentais podem enviar soluções sociais até o dia 15 de junho

A edição 2007 do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social vai premiar com R$ 400 mil tecnologias sociais que resolvam questões relativas à água, alimentação, educação, energia, habitação, meio ambiente, renda e saúde. As inscrições para o Prêmio, que podem ser realizadas até 15 de junho, estão abertas às empresas públicas, governos municipais e estaduais, instituições de educação, institutos e organizações não governamentais (ONGs).

A quarta edição do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social é realizada em parceria com a Petrobras, com apoio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), e a KPMG Auditores Independentes.

A premiação foi criada para identificar e difundir tecnologias sociais. O conceito compreende produtos, técnicas ou metodologias reaplicáveis, desenvolvidas na interação com a comunidade, que representem soluções efetivas de transformação social. Somente serão certificadas e concorrerão às premiações, tecnologias sociais já implementadas, com resultados comprovados e sem fins comerciais.

Etapas – A edição de 2007 do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social concederá oito premiações, das quais cinco para a categoria “Região” – um para cada região geográfica do país –, um para a categoria “Aproveitamento/tratamento de rejeitos/resíduos/efluentes de processos produtivos”, um para a categoria “Direitos da Criança e Adolescente” e um para a categoria “Gestão de Recursos Hídricos”.

O Prêmio é dividido em três etapas. Todas as inscrições participam da primeira, a certificação. As certificadas, além de concorrer à etapa seguinte, de seleção, integram o Banco de Tecnologias Sociais e recebem o Certificado de Tecnologia Social conferido pela Fundação Banco do Brasil, Unesco e Petrobras.

Na etapa de seleção, após análises de mérito, efetividade e resultado, as três tecnologias com maior pontuação, por categoria, vão ao julgamento final e recebem o troféu “Finalista do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social – edição 2007”.

As tecnologias finalistas selecionadas na etapa anterior serão analisadas segundo novos critérios: inovação, exemplaridade , transformação social e potencial de reaplicabilidade. A que obtiver a maior pontuação média, em cada categoria, será declarada vencedora. As oito instituições responsáveis pelas tecnologias sociais vencedoras vão receber R$ 50 mil, cada, para utilizar em atividades de expansão, aperfeiçoamento ou reaplicação da tecnologia social vencedora.

Banco de idéias – As tecnologias sociais, após certificadas, passam a integrar o Banco de Tecnologias Sociais (BTS) da Fundação Banco do Brasil, uma base de dados on-line disponível na internet no endereço www.fundacaobancodobrasil.org.br . O BTS, principal instrumento utilizado pela Fundação BB para disseminar e fomentar a reaplicação de tecnologias sociais, organiza as informações das tecnologias e das instituições que as desenvolveram.

Exemplos de tecnologias sociais são o manejo comunitário de camarão de água doce e as cisternas de placas.

Na região norte do país, o Programa de Manejo Comunitário de Camarão de Água Doce substitui a pesca predatória por técnicas que permitem o exercício dessa atividade de forma sustentável. Pescadores ligados à Associação dos Trabalhadores Agroextrativistas da Ilha das Cinzas criaram uma armadilha em forma cilíndrica, de fibras vegetais e confeccionada pela própria comunidade, com espaço para a saída dos camarões pequenos, que, na pesca predatória, são mortos e não aproveitados. Com parceria da Fundação BB e da Petrobras, a tecnologia está sendo reaplicada em sete comunidades, em dois municípios, Gurupá e Breves, na Ilha do Marajó, Pará, envolvendo 155 famílias.

Para aliviar o problema da água do semi-árido brasileiro, o Programa 1 Milhão de Cisternas foi criado pela Articulação no Semi-Árido Brasileiro (ASA), em 1999. Com capacidade para 16 mil litros, cada uma das cisternas abastece uma família de cinco pessoas por até oito meses, melhorando a qualidade de vida nas comunidades. Representa a independência dos carros-pipa, o fim das caminhadas em busca de água, a diminuição de doenças e a geração de emprego e renda. A tecnologia de Cisterna de Placas Pré-Moldadas foi finalista do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social na edição de 2001.

Transformação social – Outra tecnologia social, a barraginha, recupera solos degradados pelas enxurradas, revitalizando mananciais, rios e córregos. Consiste na construção de barraginhas contentoras de enxurradas. Mais de 6 mil unidades dessas unidades estão sendo reaplicadas pela Fundação BB, em diversos municípios de Minas Gerais e no Piauí, em parcerias com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Milho e Sorgo/MG) e instituições locais.

A experiência de saneamento básico rural substitui as fossas negras das propriedades do campo – responsáveis pela disseminação de doenças causadas por coliformes fecais – por fossas sépticas biodigestoras, que tratam o dejeto humano. O projeto é composto por três caixas d´água de mil litros cada, conectadas por conexões de PVC e ligadas ao encanamento do vaso sanitário. A Fundação BB está reaplicando a tecnologia na região do entorno do Distrito Federal junto a 1.038 famílias, em assentamentos da reforma agrária, em parceria com a Embrapa de São Carlos (SP).

Outros exemplos de tecnologias sociais integrantes do BTS são a redução do impacto ambiental e geração de renda através do uso de dessalinização, que reaproveita o rejeito de dessalinizadores no semi-árido brasileiro na criação de tilápias e na cultura da erva-sal, e o Banco Palmas, projeto que está sendo reaplicado pela Petrobras em dois municípios do Ceará, combatendo a pobreza e o desemprego, a partir de uma rede de economia solidária na comunidade, inclusive com a criação de uma moeda social e um cartão de crédito. O Café com Floresta, que cria suficiência alimentar e biodiversidade ecológica em assentamentos da reforma agrária no Pontal do Paranapanema, e os tatames especiais para pessoas portadoras de deficiências Múltiplas, destinados a reduzir as dificuldades em lidar com pacientes que usam cadeira de rodas, são outros exemplos de tecnologias sociais certificadas pelo Prêmio.

publicidade
publicidade
publicidade
Crochelandia
publicidade
publicidade
Visitantes desde fevereiro de 2006:
30205219

Blogs dos Colunistas

-
Ana
Kaye
Rio de Janeiro
-
Andrei
Bastos
Rio de Janeiro - RJ
-
Carolina
Faria
São Paulo - SP
-
Celso
Lungaretti
São Paulo - SP
-
Cristiane
Visentin

Nova Iorque - USA
-
Daniele
Rodrigues

Macaé - RJ
-
Denise
Dalmacchio
Vila Velha - ES
-
Doroty
Dimolitsas
Sena Madureira - AC
-
Eduardo
Ritter

Porto Alegre - RS
.
Elisio
Peixoto

São Caetano do Sul - SP
.
Francisco
Castro

Barueri - SP
.
Jaqueline
Serávia

Rio das Ostras - RJ
.
Jorge
Hori
São Paulo - SP
.
Jorge
Hessen
Brasília - DF
.
José
Milbs
Macaé - RJ
.
Lourdes
Limeira

João Pessoa - PB
.
Luiz Zatar
Tabajara

Niterói - RJ
.
Marcelo
Sguassabia

Campinas - SP
.
Marta
Peres

Minas Gerais
.
Miriam
Zelikowski

São Paulo - SP
.
Monica
Braga

Macaé - RJ
roney
Roney
Moraes

Cachoeiro - ES
roney
Sandra
Almeida

Cacoal - RO
roney
Soninha
Porto

Cruz Alta - RS