Petrobras investe no relacionamento com a comunidade para aumentar a sustentabilidade do Comperj

A- A A+
publicidade

A sustentabilidade de um grande empreendimento requer o desenvolvimento equilibrado das comunidades que recebem o impacto desse investimento. Esse foi o tema da palestra Capital Social e Desenvolvimento Sustentável , apresentada nesta quarta-feira (25/04) pelo gerente de Relacionamento da Petrobras, Gilberto Puig Maldonado, no segundo dia do Congresso Ibero-americano de Desenvolvimento Sustentável – Sustentável 2007, que termina nesta quinta-feira, em São Paulo. 



Puig explicou o modelo de relacionamento com as comunidades que está sendo aplicado aos 15 municípios da área de abrangência do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), sediado em Itaboraí e que tem previsão de iniciar as operações em cinco anos. De acordo com ele, o objetivo é preparar essas comunidades para tirarem proveito do investimento, aumentando seu capital social.

A Petrobras está utilizando como ferramenta para atingir esse objetivo o Programa De Olho no Ambiente, que usa a Agenda 21 como instrumento para o relacionamento entre os diferentes públicos, como governos, fornecedores, ONGs, entidades de classe, associações e comunidades.

"Um dos diferenciais dessa experiência é termos adotado a Agenda 21 como instrumento, porque ela permite, através dos fóruns multissetoriais, monitorar a execução das ações da Agenda. Com esse recurso estamos transformando em uma ação permanente o diálogo socioambiental que seria feito normalmente para o licenciamento do empreendimento", afirmou Puig.

Destaque para ações sustentáveis

Diversas ações desenvolvidas pela Petrobras em busca da sustentabilidade para seus negócios ganharam destaque na cerimônia de abertura do Sustentável 2007, na terça-feira. O presidente da Petrobras e presidente de honra do evento, José Sergio Gabrielli de Azevedo, foi representado por seu consultor José Carlos Vidal, que enfatizou o investimento realizado em 2006 na área de sustentabilidade.

"A Petrobras reduziu as emissões para a atmosfera em 171 mil toneladas de carbono equivalente, a partir de um sistema de gestão eficiente. Além disso, estamos aproveitando fontes de energia renováveis, como a biomassa e as energias eólica e solar e investimentos na construção de três usinas para produzir biodiesel, propiciando ainda o desenvolvimento social de áreas rurais, a partir do incentivo à agricultura familiar. Outra iniciativa importante foi a aprovação do Centro de Excelência Ambiental da Amazônia, que deverá ser inaugurado em junho", disse Vidal.

Vidal destacou a importância da atuação da entidade que organiza o evento, o Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), na sensibilização das empresas aos princípios e práticas da sustentabilidade.

O presidente do CEBDS, Fernando Almeida, afirmou que o planeta vive a falência dos serviços ambientais, como água limpa e ar limpo, pela incapacidade dos modelos de negócios de mudar. De acordo com ele, é preciso uma ruptura do modo de operar, pensar e consumir.

"Precisamos de lideranças, nos governos, nas ONGs e nas empresas, que tenham capacidade para organizar essas mudanças, de forma radical, pacífica e urgente", disse Almeida.

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, chamou a atenção para o desafio que é tornar a sustentabilidade uma prática cotidiana, garantindo os direitos básicos da população.

"Temos uma importante parceria com a Petrobras em ações como a inspeção de ônibus urbanos para a redução do consumo de combustíveis e da emissão de gases causadores do efeito estufa", acrescentou.

Rios voadores

Na abertura do Sustentável 2007 também foi apresentada a próxima fase do projeto Brasil das Águas, denominada Expedição Rios Voadores, em alusão às correntes de ar que levam a umidade de Norte a Sul do Brasil e são responsáveis por grande parte das chuvas do Sudeste e Sul do país.
"Nesta fase do projeto queremos comprovar que o desmatamento da floresta poderá reduzir o transporte de vapor d`água da Amazônia para o Sul e o Sudeste do Brasil. A idéia é identificar e quantificar esse fenômeno", explicou Gérard Moss.

O professor Enéas Salati, responsável científico pela expedição, explicou que a Amazônia enfrenta dois expressivos problemas climáticos, dos quais ainda pouco se conhece. Um deles é o desmatamento, que impacta diretamente na flora e fauna. O outro, a mudança climática global, causada pela emissão de gases de efeito estufa, queima de carvão e queimadas, entre outros fatores.

"Nesses dois anos de trabalho, pretendemos avaliar o impacto de 30 anos de desmatamento na Amazônia, que já reduziram sua área em cerca de 600 mil km quadrados, equivalentes ao território da França", afirma Salati. 

publicidade
publicidade
publicidade
Crochelandia
publicidade
publicidade
Visitantes desde fevereiro de 2006:
30201338

Blogs dos Colunistas

-
Ana
Kaye
Rio de Janeiro
-
Andrei
Bastos
Rio de Janeiro - RJ
-
Carolina
Faria
São Paulo - SP
-
Celso
Lungaretti
São Paulo - SP
-
Cristiane
Visentin

Nova Iorque - USA
-
Daniele
Rodrigues

Macaé - RJ
-
Denise
Dalmacchio
Vila Velha - ES
-
Doroty
Dimolitsas
Sena Madureira - AC
-
Eduardo
Ritter

Porto Alegre - RS
.
Elisio
Peixoto

São Caetano do Sul - SP
.
Francisco
Castro

Barueri - SP
.
Jaqueline
Serávia

Rio das Ostras - RJ
.
Jorge
Hori
São Paulo - SP
.
Jorge
Hessen
Brasília - DF
.
José
Milbs
Macaé - RJ
.
Lourdes
Limeira

João Pessoa - PB
.
Luiz Zatar
Tabajara

Niterói - RJ
.
Marcelo
Sguassabia

Campinas - SP
.
Marta
Peres

Minas Gerais
.
Miriam
Zelikowski

São Paulo - SP
.
Monica
Braga

Macaé - RJ
roney
Roney
Moraes

Cachoeiro - ES
roney
Sandra
Almeida

Cacoal - RO
roney
Soninha
Porto

Cruz Alta - RS