Vandré nunca foi ‘tudo isso’

A- A A+
publicidade

geraldo vandre 750

Nesta semana as redes sociais reproduziram um evento onde o compositor Geraldo Vandré era o homenageado. Para quem não sabe, Geraldo é o autor de uma canção que, em 1968, se tornou hino da luta contra o regime militar: ‘Pra não dizer que falei de flores’. Por cinquenta anos pouco se ouviu sobre o cantor, o que gerou algumas conspirações sobre o quê a ditadura militar teria feito para calar sua voz.

O que se sabe é que naquela época ele se exilou no Uruguai, depois viveu em outros países, na América do Sul. A canção ‘(Caminhando) Pra não dizer que não falei de flores’ ficou censurada durante onze anos. Quando foi gravada, em 1979, saiu em compacto simples e tocava nas lojas de discos incessantemente, foi um sucesso.

Coincidiu com o início da Abertura, da volta dos exilados da ditadura ao Brasil, da Anistia. O refrão ‘vem vamos embora que esperar não é saber, quem sabe faz a hora não espera acontecer’, era ouvido nos aeroportos a cada pouso de um avião trazendo os exilados.

No evento em que reaparece para o público, criou-se uma expectativa de que ‘aquele’ cantor que defendia suas músicas de protestos nos festivais da canção, teria um comportamento que reafirmasse a ideologia que defendera naqueles tempos obscuros. Mas o que se viu foi um senhor subserviente às forças armadas, fazendo apologia aos tiranos fardados que torturaram e mataram estudantes, jornalistas e que mantinham a cultura sob censura.

Uma jovem presente ao evento estendeu uma faixa de apoio à vereadora Marielle Franco, executada há algumas semanas por discordar da intervenção militar no Rio e por denunciar práticas abusivas da polícia militar nas favelas. Pois bem, inacreditavelmente o próprio Vandré recolheu a faixa e expulsou a jovem do recinto com desaforos ditos ao ‘pé do ouvido’ da ativista.

Na verdade Geraldo Vandré nunca foi ‘isso tudo’, mas foi perseguido e a esquerda brasileira deve sim, reverencia à sua obra. A necessidade por novas formas de luta, levou a juventude a incorporar as frases da canção como instrumento de luta, criando um ‘mito' em torno de seu nome.

O que vivemos hoje, principalmente os moradores das periferias, cabe na definição da frase: ‘Há soldados armados, amados ou não, quase todos perdidos de armas na mão’. Geraldo Vandré é um espectro que apareceu de dentro de um livro, um personagem que a história não crucificou, mas que tampouco transformou em algo consumível na geração que luta contra esse golpe que aí está.

publicidade
publicidade
publicidade
Crochelandia
publicidade
publicidade
Visitantes desde fevereiro de 2006:
29995643

Blogs dos Colunistas

-
Ana
Kaye
Rio de Janeiro
-
Andrei
Bastos
Rio de Janeiro - RJ
-
Carolina
Faria
São Paulo - SP
-
Celso
Lungaretti
São Paulo - SP
-
Cristiane
Visentin

Nova Iorque - USA
-
Daniele
Rodrigues

Macaé - RJ
-
Denise
Dalmacchio
Vila Velha - ES
-
Doroty
Dimolitsas
Sena Madureira - AC
-
Eduardo
Ritter

Porto Alegre - RS
.
Elisio
Peixoto

São Caetano do Sul - SP
.
Francisco
Castro

Barueri - SP
.
Jaqueline
Serávia

Rio das Ostras - RJ
.
Jorge
Hori
São Paulo - SP
.
Jorge
Hessen
Brasília - DF
.
José
Milbs
Macaé - RJ
.
Lourdes
Limeira

João Pessoa - PB
.
Luiz Zatar
Tabajara

Niterói - RJ
.
Marcelo
Sguassabia

Campinas - SP
.
Marta
Peres

Minas Gerais
.
Miriam
Zelikowski

São Paulo - SP
.
Monica
Braga

Macaé - RJ
roney
Roney
Moraes

Cachoeiro - ES
roney
Sandra
Almeida

Cacoal - RO
roney
Soninha
Porto

Cruz Alta - RS